22 de agosto de 2011

O Menino do Pijama Listrado [Resenha #026]

O Menino do Pijama ListradoO Menino do Pijama Listrado esteve em minha lista de livros a ler por muito tempo. Temia que o autor apelasse para o sentimentalismo para narrar sua história, mas John Boyne escreve de uma maneira interessante, da forma como o menino, Bruno, enxerga o mundo o mundo à sua volta, o que, de um lado, torna a história bem mais suave em relação ao seu contexto, mas, por outro, a deixa bastante superficial, baseada em desejos, perdas e ganhos, tudo segundo Bruno.

A história se passa na Alemanha nazista, onde Bruno mora com os pais e a irmã em uma casa confortável em Berlim, levando sua vida de menino de nove anos: indo a escola, brincando, implicando com Grettel, a irmã, e tendo os três melhores amigos para a vida toda. Mas são tempos de guerra, e algumas mudanças são vistas, como, por exemplo, o fato de que toda a cidade tem de apagar as luzes ao anoitecer,e assim não ser alvo fácil para bombardeios dos aliados; e a principal delas acontece após o Fúria aparecer para o jantar.

Seu pai é transferido e mandado para comandar um campo de concentração na Polônia (Auschwitz), e Bruno tem de deixar para trás tudo o que tinha, inclusive seus amigos, para viver em um lugar triste, em nada comparado com a fervilhante Berlim e sua casa de cinco andares. Até que, de sua janela, vê uma grande cerca, com pessoas do outro lado, todas elas usando um pijama listrado, e se põe a se perguntar o que fazem lá, e porquê ele e sua família não podem cruzar aquela cerca. O garoto simplesmente detestava o lugar, que chama de “Haja–Vista” – um jogo de palavras formado pela incapacidade de o menino pronunciar Auschwitz corretamente, da mesma forma como chama o Führer de Fúria – até que encontra Shmuel, um menino de pijama listrado, que é exatamente o oposto de Bruno, ou da situação de Bruno naquele período, e descobrem que nasceram no mesmo dia.

“Somos como Gêmeos”, disse Bruno.

“É, um pouco”, concordou Shmuel.

A partir de então vemos uma amizade sincera nascer, e isso em grande parte devido ao fato de que ignoram muito do que ocorre em torno deles – apesar de Shmuel ter uma consciência maior dos acontecimentos, principalmente se comparado à Bruno – e questionarem as coisas simples da vida, como o fato de não poderem ser crianças como uma criança deve ser, e o porque de terem que deixar suas casas para morar ali.

E durante estes diálogos, esses questionamentos me levaram a me perguntar quantos anos Bruno teria? Nove, como diz o livro? Não parece. Algumas vezes, sua ingenuidade é tão grande que parece que tem cinco, ou quatro, ou mesmo que é um Telletubie! Claro que uma colher de chá deve ser dada. Quem em sã consciência, e aos nove anos, consegue assimilar todo o terror da Segunda Guerra Mundial? Tenho 25 e me esforço para tentar. Então talvez seja normal a ignorância de Bruno, mas em alguns momentos ela é irritante.

John Boyne consegue algum mérito, ao construir uma relação de amizade entre os lados opostos daquela guerra, ainda mais em se tratando de crianças judias e alemãs; mesmo com o final, meio novelesco, mas, em certa medida esperado pelos acontecimentos dos últimos capítulos.

O livro te mantém ocupado enquanto o tem nas mãos, mas não te põe a pensar depois, e, em verdade, não chega a acrescentar muito sobre o assunto. É leitura para meio dia, e ponto.

O Menino do Pijama Listrado (The Boy in the Striped Pyjamas, 2006Tradução de Augusto Pacheco Calil) John Boyne – 190 páginas, ISBN 9788535911121 Companhia das Letras.

2,5

 

.

PS: Se você não sabe o que foi o regime nazista, a segunda guerra mundial ou os campos de concentração, então, meu amigo, você tem sérios problemas.

TYBUG55DKCA3

10 comentários:

  1. Ei Luciano eu também achei irritante esse alheiamento do Bruno, mas é bem como tu disses, estamos nós aqui distantes e com muito mais bagagem que ele e ainda assim não compreendemos.
    Adorei o p.s., deveras pertinente e bem humorado :D
    estrelinhas coloridas...

    ResponderExcluir
  2. Olá Mi,

    Pois é, foi tudo tão fora da realidade, do imaginável, que até dá para entender o alheiamento do Bruno, mas que irrita, ah isso irrita.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  3. Sei lá...eu gostei muito do livro e do filme também.
    Tá, ele não parecia mesmo ter 9 anos, mas como vc mesmo citou...assimilar tudo aquilo à volta dele, deixaria até Einstein confuso.
    Livro curtinho...que só pega "fogo" no final..mas eu não me importei.rs

    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não consegui me conectar muito bem com ele, falou algo, e Bruno não caiu na minha simpatia, o que dificultou um pouco. Mas vale ler a título de curiosidade, pois retrata um dos momentos mais sombrios da nossa história.

      Excluir
  4. Que bom que eu não preciso ler o livro pra prova! bj

    ResponderExcluir
  5. cara na boa, quem é você? Antes de fazer uma crítica, uma resenha ou um resumo de livro aprenda a escrever e estude um pouco mais! Você parece ser o típico cara que acha saber de mais, mas não sabe nada...

    ResponderExcluir
  6. Bem, estava aqui procurando sugestões de livros para ler através de sua blog e me deparei com sua resenha quanto ao "O menino de pijama listrado", respeito completamente sua opinião, no entanto, analisemos que Bruno é uma criança de 9 anos criado dentro de uma redoma, onde nada lhe é dito explicitamente.
    Como eu disse, respeito muitíssimo a sua visão acerca do livro, mas pra mim, este está entre os livros mais encantadores e lúdicos que já li (relevando que amo livros dos quais crianças são protagonistas) não o consideraria jamais um "livro para o meio dia". E sim, me fez pensar após o final.

    ResponderExcluir

Olá, seu comentário é muito importante para nós.

Nenhum comentário aqui publicado sofre qualquer tipo de edição e/ou manipulação, porém o autor do blog se reserva o direito de excluir todo e qualquer comentário que apresente temática ofensiva, palavras de baixo calão, e qualquer tipo de preconceito e/ou discriminação racial, estando assim em desconformidade com nossa Política de Privacidade.

Oscar