19 de setembro de 2012

Viva para Contar [Resenha #070]

Viva para contarSinopse: Em uma noite quente de verão, em um bairro de classe média de Boston, um crime inimaginável foi cometido: quatro membros da mesma família foram brutalmente assassinados. O pai — e possível suspeito — agora está internado na UTI de um hospital, entre a vida e a morte. Seria um caso de assassinato seguido por tentativa de suicídio? Ou algo pior? D. D. Warren, investigadora veterana do departamento de polícia, tem certeza de uma coisa: há mais elementos neste caso do que indica o exame preliminar. Danielle Burton é uma sobrevivente, uma enfermeira dedicada cujo propósito na vida é ajudar crianças internadas na ala psiquiátrica de um hospital. Mas ela ainda é assombrada por uma tragédia familiar que destruiu sua vida no passado. Quase 25 anos depois do ocorrido, quando D. D. Warren e seu parceiro aparecem no hospital, Danielle imediatamente percebe: vai acontecer tudo de novo. Victoria Oliver, uma dedicada mãe de família, tem dificuldades para lembrar exatamente o que é ter uma vida normal. Mas fará qualquer coisa para garantir que seu filho consiga ter uma infância tranquila. Ela o amará, independentemente do que aconteça. Irá protegê-lo e lhe dar carinho. Mesmo que a ameaça venha de dentro da sua própria casa. Na obra de suspense mais emocionante de Lisa Gardner, autora best-seller do The New York Times, a vida dessa três mulheres se desdobra e se conecta de maneiras inesperadas. Pecados do passado são revelados e segredos assustadores mostram a força que os laços de família podem ter. Às vezes, os crimes mais devastadores são aqueles que acontecem mais perto de nós.

Finalmente de volta ao romance policial. Desde a adolescência – e, em especial, da descoberta da genialidade de Agatha Christie quando li “Sócios no Crime”, primeiro livro da autora que tive em mãos – o gênero me fascinou e sempre me proporciona boas leituras, e claro, detetives memoráveis. Para ser injusto, pois é claro que me esquecerei de alguns, destaco Miss Marple, Tommy e Tuppence, Philip Marlowe, Simenon, Holmes, e, claro, Poirot e Elvis Cole. Depois descobri a ficção científica, a literatura fantástica e o gênero ganhou concorrentes de peso em minha preferência.

Viva para Contar foi um excelente reencontro. Não esperava nada do livro, havia lido a sinopse quando o recebi mas não dei a devida atenção – e, convenhamos, a capa não é a mais atrativa possível – mas qual não foi minha surpresa!  Apesar de insistir em considerar uma boa capa uma etapa fundamental da escolha de um livro para comprar, títulos como este me fazem perceber que esta não é uma atitude muito acertada: se a capa é estranha, o conteúdo é soberbo.

O livro segue três personagens, três mulheres que, cada qual à sua maneira – e devido aos acontecimentos em suas vidas – precisam ser fortes e a cada momento ultrapassar seus limites. Victoria é mãe de um garoto com problemas mentais, e sofre sem saber o que o filho fará com ela enquanto dorme, pois seu distúrbio faz com que ameace sua mãe ao mesmo tempo em que diz que a ama. Já Daniele tem de lidar com o fato de que seu pai matara sua mãe e irmãos, cometendo o suicídio logo após, o que faz com que ela remoa a pergunta inevitável: por que a poupara?, e, em parte por isso, ela se tornara enfermeira e trabalhava em uma ala psiquiátrico-infantil em um hospital. Já D.D. Warren é nossa detetive. E que detetive, diga-se de passagem.

Quase chegando aos quarenta, e ainda solteira, ela anseia por um pouco de paz e normalidade em seus dias, assim como que seu pager não toque durante um encontro para que o príncipe encantado da vez a possa levar para a cama. Sim, D.D. é bastante direta em seus pensamentos, pois já sendo crescida e independente o bastante, não há necessidades de rodeios quando se é uma sargento da polícia de Boston, se comanda três homens e é muito boa no que faz.

Mas ela já é isso tudo? Sim, e sabe a razão? Este não é o primeiro livro que narra as aventuras da detetive. Se não me engano é o quarto. De novo. Fizeram isso com “O Espião”, e repetiram aqui. Custa publicar cronologicamente? Está certo que o livro tem uma história independente, mas, principalmente na literatura policial, é sempre um prazer acompanhar o crescimento pessoal e profissional do detetive, além de ver como ele lida com as implicações de seu trabalho. Este é o maior charme deste tipo de literatura desde o surgimento dos policiais do romance noir com suas conciência e coração por trás da carapaça. Claro que se pode ler o livro sem nenhum problema mesmo sem conhecer os anteriores – eu não os conhecia – mas D.D. é uma personagem admirável, bem humorada, incisiva, perspicaz, o tipo de detetive que tem tudo para fazer uma visita ao rol da fama dos detetives, como os que citei lá na introdução, que teria sido bom acompanhar seu surgimento.

Já disse em outras resenhas que me agrada muito o sistema de alternar narrativas entre os personagens. Gosto dessa dinâmica e do ritmo que ela confere ao livro. Lisa Gardner usa  muito bem este recurso, nos fazendo acompanhar em cada capítulo uma dessas mulheres, e, ao mesmo tempo em que desenvolve o enredo principal – que nos livros do gênero é um crime, né – nos vai revelando pouco a pouco detalhes sobre a vida delas, suas motivações, e o caminho que as levaram até ali. E acreditem, o passado tem muito peso aqui.

Todo livro tem um personagem chato e aqui temos um chato falastrão, que eu não entendi qual “era a dele”, como dizem. O reconhecerão sem problemas quando, e se, lerem o livro. O desfecho é bastante interessante, e, mesmo anunciado, não deixa de surpreender. Está certo que não ocorreu da maneira como esperava, mas faz sentido, e fecha um ciclo, o que é importante para o livro.

Mas talvez o mais importante neste título seja a luz que ele joga sobre um problema pouco explorado – diria até ignorado: crianças com problemas mentais. Gostei muito da forma natural como a autora aborda o assunto, sem preconceitos, sem leviandades. Fazendo-o sobre o olhar de três pessoas distintas, a enfermeira, a mãe e a detetive, pôde nos trazer três visões sobre o problema: uma dedica a vida para ajuda-las, mesmo sabendo que no fundo está ajudando a si mesma a aplacar a dor causada pela perda dos irmãos; a outra faz de tudo pelo filho, e o ama mesmo nos surtos psicóticos onde ele jura que a matará, chegando mesmo a abandonar a profissão e a vida pessoal para se dedicar inteiramente à ele; e a detetive sem filhos, que se questiona se estará pronta para ser mãe algum dia e encarar os desafios que aquelas duas mulheres enfrentam com tanta resignação: uma coisa é lidar com um assassino psicótico, outra bem diferente é quando ele é seu próprio filho.

Viva para Contar faz bonito. Há mais que simplesmente um crime, ele é repleto de pessoas de verdade, que vivenciam situações que deveriam ser mais naturalmente discutidas. E isso é coisa que apenas os bons romances policiais fazem.

 

Viva Para Contar, de Lisa Gardner (Live to Tell, 2010Tradução de Ivar Panazzolo Júnior, 2012) 480 páginas, ISBN 9788581630168,  Editora Novo Conceito. [Comprar no Submarino]

{B+}

44 comentários:

  1. Eu sempre fiquei naquela dúvida de "compro ou não compro" esse livro porque, como você não fiquei totalmente convencida com a sinopse. E isso conta muito quando se tem uma fila de leitura tão gigante! Mas foi bom ter lido sua resenha, porque vou procurar esse título assim que der.

    No momento estou lendo O misterioso caso de Styles, da A. Christie. Será que um dia eu vou conseguir gostar dessa autora, puxa vida?

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lu, aí as coisas ficam complicadas mesmo. Pela capa e sinopse dificilmente compraria, mas agora sei o quanto estaria perdendo. Vale ler ;)

      Assim como Agatha Christie. Gosto tanto dela que é até difícil imaginar que alguém pode não gostar, rsrsrs, coisa de fã. Styles é muito bom, mostra Agatha no início, mas já em grande forma.

      Excluir
  2. Até o momento(Setembro) li muita coisa, mas 2 livros me conquistaram demais entre todos os lidos: A Culpa é das Estrelas e Viva Para Contar.
    Desde que foi lançado, eu ao contrário de vc, me apaixonei pela capa e pela sinopse..daí, foram aparecendo as resenhas e não via a hora de poder ler. Já fiz isso tem um tempinho, mas o livro é realmente, maravilhoso.
    Mesmo eu não tendo gostado muito da detetive(raio de mulher tarada) adorei o tema(sim, usado de forma magistral pela autora) e todos os conflitos, todos os pontos usados foram de uma singularidade incomum. Cada personagem carregava uma bagagem de sentimentos e era possivel ler isso em cada capitulo. Aliás, o livro com capítulo curtinhos é excelente..super fácil de se ler.
    O canastrão..rs tbém não fiquei entendendo qual é a dele, mas depois tudo se encaixa.
    Um livro imperdível!!
    Resenha ímpar, parabens!

    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu demorei a perceber o quão bom era o livro que tinha aqui. Eu gostei da detetive Warren justamente pela liberalidade dela, esse jeitão despreocupado. Mas sou suspeito, me apego aos detetives de romances policiais com uma certa constância.

      Para mim também é um dos melhores do ano, a Novo Conceito acertou em cheio com ele ;)

      Excluir
  3. Confesso. Tenho quase uma repulsa por Suspense ou Romance Polícial. - Normalmente eles se resolvem no final do livro e eu não consigo largar o livro até saber o que acontece. -
    Nunca li a Agatha Christie, sempre fui do tema Histórico ou Romance Histórico.
    Esse livro me pareceu interessante, só a sinopse já me chamou para o ler, tua resenha me deixou ainda mais aventurado a fazer isso.

    Totalmente off: Um dos livros que tu resenhou "recentemente" que mais tenho vontade de ler é o Clã dos magos. Parabéns pela(s) resenhaa(s)

    Abraços.

    Jon

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu gosto muito do gênero, os detetives quase sempre são umas figuras à parte, e o desenvolvimento da narrativa se afunilando me atrai.

      O "O Clã dos Magos" foi resenhado aqui pela Jaci, e também tenho muitsa curiosidade em ler ;)

      Abraços.

      Excluir
    2. Errata: Muito obrigado pela correção. :)

      Excluir
  4. Você e a turma toda do clube dos "Eu amo romance policial" (destaque para a Irene e a Gabs) me derrotaram recentemente, porque depois de muita luta intelectual decidi ler Agatha Christie mais uma 1 vez para ver qual graça tem.

    E, depois dessa resenha sinto a proximidade de mais uma derrota intelectual, porque o enredo da história me deixou tentada. Porque na minha opinião, o melhor do livro não é o seu final ou um personagem em si, mas sim o caminho do livro traçado pelo autor e o caminho desse livro parece ter sido perfeito.

    Vou até marcar no meu skoob para não esquecer!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, mas romance policial é o que há! Mas, falando sério, este livro é muito bem desenvolvido, bem escrito, e os personagens são todos palpáveis, possíveis - exceto o chato falastrão. Vale a pena ler ;)

      Excluir
    2. Vc sabe mesmo ser implicante ein Luciano?!?! Pobre falastrão!!!!

      Excluir
  5. Ó, B+ é quase A...
    Esse é um livro que eu tinha vontade de ler até ver o descaso com ele numa livraria... Todos os volumes de viva Para Cotar estavam de cabeça para baixo na prateleira , sem nenhum motivo aparente (se bem me lembro...)
    Porém agora você fez a vontade de ler o livro voltar, Luciano. Sei lá, sabe quando a gente precisa de um livro um pouco "real"? Não é sempre que isso acontece comigo, mas quando a vontade bater vou recorrer a Viva Para Contar :D

    Gislaine,
    atualizado, comenta?
    Jeito Inédito

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gislaine, se você gosta do gênero policial este livro é um prato cheio. Muito bom mesmo ;)

      Excluir
  6. Eu acabei de ler Viva para contar e a narrativa me prendeu completamente, eu passei o domingo grudada no livro. Embora o final não tenha sido tão apoteótico quanto a trama sugeria, eu achei que fechou bem a história, não deixando pontas soltas. Adorei esse livro, que além de ser bem escrito tinha uma trama super interessante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que o falastrão comprometeu o final, não tem jeito, não gostei dele. Mas adorei conhecer a autora e sua detetive, se lançarem mais alguma coisa dela certamente leio ;)

      Excluir
  7. Romance policial sempre esteve nos melhores gêneros literários para mim. Gosto tanto de mistérios. HAHAHA!
    O primeiro livro que li de Agatha foi O misterioso caso de Styles, sem saber que era o primeiro livro dela. E aí, foi paixão a primeira vista. rs
    Ao contrário de você, eu gostei da capa, mas confesso o que mais chama atenção no livro é o titulo. A sinopse também, mas nem tanto. Me parece um livro bem tenso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lucas, só fui ler "O Misterioso Caso de Styles", muito tempo depois de ter conhecido a Agatha, e é realmente muito bom. Sou grande fã do gênero, me sinto verdadeiramente em casa.

      Excluir
  8. Bom so de pensar que é do mesmo modelo de Agatha Christie ja é bem chamativo rsrs.Bom amei a resenha adoro romances policiais.Antes da resenha eu tb n achei a capa muito atrativa então quando fui comprar o livro eu desisti,maior pena pq depois da sua resenha fiquei com uma louca vontade de ler ^^.Bom o romance policial é ótim,parece que são diversos enredos em uma so história e amo misterios e crimes a ser desvendado,Parabens pela resenha bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tamires, mas é muito bom, a capa da aquela enganada básica. O livro é bem escrito, e - sem querer comparar, não sou nem louco de o fazer - quem gosta do gênero, e fãs da Rainha do Crime, vão se dar bem aqui.

      Excluir
  9. Faz um tempinho que estou de olho nesse livro, me apaixonei pelo nome dele *o*... e depois que vi a sinopse aí sim eu queria.. E pelo que você escreveu vale a pena ler... só não quero saber do personagem chato, eles me irritam IAOISHAOI :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Andressa, e ele é muito bom. Se puder, leia! rs.

      Excluir
  10. Depois de ver essa resenha eu fiquei com muita vontade de comprar esse livro!!!

    ResponderExcluir
  11. Eu trabalho numa livraria, ja li e reli a sinopse, da uma vontade de ler o livro kkkkk já foi pra lista (que não é pequena) agora só falta tempo e dinheiro pra ler hauhauhau

    ResponderExcluir
  12. Esse é um livro que eu quero muuito ler.Já li inclusive algumas resenhas dele, e gostei muito.
    A capa não me agradou muito, mas afinal, quem precisa de capa quando o livro é maravilhoso?

    ResponderExcluir
  13. Preciso ler esse livro, é do meu gênero favorito, e faz tanto tempo... ultimamente to lendo muitos livros de distopia, que não imaginei gostar tanto. Mas enfim, amo loucamente a Agatha, li muitos livros dela, especialmente o belga Poirot.
    Lisa Gardner, acho que nao li nenhum dela ainda, que coisa :/
    Mas com certeza, este vai pra minha lista de desejados.

    ResponderExcluir
  14. Tenho curiosidade e vontade der ler VIVA PARA CONTAR desde o lançamento, mas até agora não foi possível.
    Eu adoro romances policiais, adoro mistérios e mais ainda, personagens e histórias realistas e sólidas.
    A capa é sem graça, mas o título já é intrigante. O mais legal é que desta vez não fizeram uma tradução estúpida. É literal mesmo!
    bjs

    ResponderExcluir
  15. Lendo sua resenha sem sombra de dúvida sei que vou gostar do Viva para contar . Ansiosa para conhecer a detetive D.D. Warren.Pelo que vejo além dos problemas abordados de doenças mentais com crianças vamos poder curtir um romance policial de primeira. A Novo Conceito tem nos agraciado com obras de temas policiais muito boas.

    Parabéns por mais uma excelente resenha.

    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Eu gosto desse gênero literário e aprecio muito novas histórias

    ResponderExcluir
  17. Eu também já passei por esse livro e náo comprei por causa da capa que náo ajudou muito,agora com sua resenha ,fiquei com anciedade de ler,gostei do modo como sáo lidados os problemas e as doenças,adorei,bjs.

    ResponderExcluir
  18. Livro parece muito bom, quero ler ;)

    Alice Ribeiro

    ResponderExcluir
  19. Ultimamente tenho me interessado por romances policiais. Este livro me parece uma boa história, gosto quando as vidas dos personagens se cruzam por um motivo comum.
    O tema é delicado e pouco abordado nos livros. Gostei demais da sua resenha, ressaltando o que realmente é importante nessa leitura.
    Será um bom livro para conhecer a autora Lisa Gardner.

    ResponderExcluir
  20. Adooro romances policiais, quero muito ler! *-*
    Parabéns pela resenha (:
    Capinha feeiiinha, coitada u.u
    Poderia ser melhor, hunf. [/Adoro capas'

    ResponderExcluir
  21. Adoro livros que sejam de suspense e ação. Nesse caso, então, que envolve uma história repleta de nuances psicológicos.
    Quero muito ler esse romance policial.
    acho que sou do contra, porque gostei da capa... Acho que a janelinha pequena na capa me deu uma sensação de mistério, de um segredo escondido no meio de algo.

    Thais Vianna
    @dathais


    Thais Vianna
    @dathais

    ResponderExcluir
  22. Realmente, pela capa (que achei feia pra caramba) e pela sinopse eu não compraria, mas a resenha me convenceu.
    Gosto muito de Agatha e Connan Doyle, mas tenho me inclinado mais pra Stephen King e alguns escritores nacionais de fantasia nas últimas aquisições... Mas vou lá na minha listinha da Livraria Cultura adicionar esse livro agora ^^

    ResponderExcluir
  23. Gosto bastante de romances policiais e também já li alguns livros da Agatha Christie. A primeira resenha que leio sobre esse livro e gostei bastante. Já estou pensando em comprá-lo logo..

    ResponderExcluir
  24. Mesmo tendo lido poucos,já adoro romances policiais,e não pude deixar de cobiçar este para minha lista.
    A história parece ser maravilhosa,por se tratar de um thriler,o tipo que quero muito ler!
    Adorei sua resenha,fiquei bastante curiosa também por falar sobre crianças com problemas mentais,e este está na minha lista de desejados,com certeza!

    Beijooss,
    Jennifer

    ResponderExcluir
  25. Nunca curti livros policias, mas isso da alternância de narrativa dos personagens me interessou. Apesar de não gostar de Agatha Christie, vou dar uma chance pra esse livro :)

    ResponderExcluir
  26. Adorei a resenha, realmente o livro parece muito interessante!
    Adoro romances policiais cheios de tramas e que nos deixam com a sensação de quero mais!
    vou adorar ler esse livro, tenho certeza
    bjos

    ResponderExcluir
  27. Interessante. Parece ser uma leitura bem impactante. Gostei! Se já estava dando umas olhadas no livro pelo título - cá entre nós, é bem bonito - agora então..

    ResponderExcluir
  28. AAAAAmo romance policial, quero muito ler esse livros, a resenha me instigou

    ResponderExcluir
  29. Gostei muito dessa resenha. Fiquei tipo: "E terror? Será?" quando vi a capa e estou louca pra ler.

    ResponderExcluir
  30. Gostei da resenha !!!!

    Adoro esse tipo de literatura, mas acredita que ainda não li nada da Agatha Christie??? Eu sei é um sacrilégio isso !!!

    Também acho que os livros devem ser pulicados cronologicamente, pois assim conseguimos ver a evolução do personagem e de sua história... a sua resenha me deixou com uma vontade enorme de ler o livro :)

    Beijus

    Renata Sara

    amordelivros.blogspot.com

    ResponderExcluir

Olá, seu comentário é muito importante para nós.

Nenhum comentário aqui publicado sofre qualquer tipo de edição e/ou manipulação, porém o autor do blog se reserva o direito de excluir todo e qualquer comentário que apresente temática ofensiva, palavras de baixo calão, e qualquer tipo de preconceito e/ou discriminação racial, estando assim em desconformidade com nossa Política de Privacidade.

Oscar