25 de janeiro de 2013

A Arte da Imperfeição [Resenha #102]

A Arte da ImperfeiçãoSinopse: Este importante livro é sobre a jornada de uma vida, deixando de se preocupar com "O que os outros vão pensar?" e acreditando que "Eu sou suficiente". A habilidade ímpar da autora em misturar pesquisa original com relatos faz com que a leitura de A Arte da Imperfeição pareça uma longa e animadora conversa com uma amiga muito sábia que oferece compaixão, sabedoria e ótimos conselhos. A cada dia nos deparamos com uma enxurrada de imagens e mensagens da sociedade e da mídia nos dizendo quem, o que e como devemos ser. Somos levados a acreditar que, se pudéssemos ter um olhar perfeito e levar uma vida perfeita, já não nos sentiríamos inadequados. E se eu não posso manter todas essas bolas no ar? Por que não é todo mundo que trabalha duro e vive às minhas expectativas? O que as pessoas vão pensar se eu falhar ou desistir? Quando posso parar de provar a mim mesmo? Em A Arte da Imperfeição, Brené Brown, Ph.D, é uma especialista em vergonha, autenticidade e compartilha a coragem que aprendeu em uma década de pesquisas sobre o poder de viver sinceramente.

Quando peguei este livro na mão e vi que ele tinha apenas 184 páginas, pensei que o leria em dois dias, mas por certo me enganei. Como a maioria já sabe, este é um livro de auto-ajuda. É o primeiro livro de auto-ajuda que leio. Não demorei a lê-lo porque era difícil ou eu não estava entendendo o que a autora propõe, demorei porque eu não conseguia simplesmente ler, eu tinha que estudar cada capítulo, porque fiquei tão impressionada com a proposta de Brené Brown sobre a vida plena que fiquei morrendo de vontade de colocar tudo em prática e para isso eu tinha que entender exatamente o que ela estava dizendo.

Brené Brown estudou por sete anos a Vergonha (sim, isso mesmo!) e no livro inteiro percebemos o quanto esta pesquisa foi importante. Em “A Arte da Imperfeição” ela nos apresenta a Vida Plena, compartilhando histórias dela mesma e de pessoas que ela entrevistou ao longo de sua pesquisa. Eu não me senti lendo uma auto-ajuda, de verdade, eu me senti em uma conversa com uma amiga, onde eu podia rir e aprender muito. O modo como ela nos introduz as suas conclusões de estudo são ótimas. Por exemplo, em cada final de capítulo ela usa o D.I.A. e nos mostra como ela lida com situações em que isto é necessário e como você pode fazer. O D.I.A. é a forma como as pessoas que vivem a Vida Plena agem em dificuldades e é o seguinte:

Deliberam sobre seus pensamentos e comportamentos por meio de orações , meditação ou simplesmente refletindo sobre suas intenções.

Inspiram-se para fazer escolhas novas e diferentes.

Agem

Pág. 22 e 23

“A Arte da Imperfeição” é descrito pela autora como um movimento de ser imperfeito. A proposta de viver uma Vida Plena é aceitar suas imperfeições e se permitir ser feliz quando tem motivo. Sabe quando você espera muito pra uma coisa boa acontecer e quando acontece você simplesmente se retrai e não se permite sentir felicidade para que não se decepcione depois? Pois Brené nos diz que é preciso aproveitar a felicidade ao máximo, pois é ela que nos fará ficar de pé quando nos desapontarmos, é mais difícil lidar com as coisas quando não temos momentos de alegria para nos lembrar.

Outra coisa muito interessante é o fato de ela nos mostrar que a verdadeira coragem nos dias de hoje não é ser um super heróis super durão que é perfeito em tudo. Ser corajoso é se mostrar vulnerável e imperfeito, não reprimir seus sentimentos e sim expô-los como parte de você. Para nos mostrar como cada palavra como Amor, Coragem e Pertencimento se encaixam na Vida Plena, Brené nos mostra o verdadeiro significado delas e muitos desses significados se perderam no tempo. Como eu já contei sobre a coragem, vou dar o exemplo dela.

Coragem originalmente significava “falar o que se pensa abrindo o coração”. Com o tempo essa definição mudou, e, hoje, coragem é sinônimo de heroísmo.

Pág. 34

Muitas vezes, durante a leitura, eu sentia meu corpo todo arrepiar por ter acabado de ler algo que fazia tanto sentido que era quase inacreditável. Mas tenho que dizer que, apesar de ter aproveitado muito a leitura e já ter colocado em prática várias ações baseadas no D.I.A. e na coragem, eu achei algum parágrafos muito repetitivos, alguns deles eram desnecessários e pareciam estar ali apenas enchendo linguiça e isso me deixou um pouco decepcionada, mas de resto, todo o livro é cheio de aprendizado. É legal a aproximação da Brené Brown conosco porque ela tem um blog e ela colocou alguns comentários de leitores durante o livro, imagina só que legal se seu comentário aparecer em um futuro livro dela? Acesse o blog da autora de “Arte da Imperfeição”.

---

E tenho mesmo que agradecer, mais uma vez, ao Luciano pela oportunidade de resenhar uma obra para o .Livro, adorei essa colaboração e fiquei super honrada com os comentários da primeira resenha que fiz aqui, do livro “Conselho de Amiga” da Siobhan Vivian. Muito, muito, muito obrigada, também, aos leitores do Ponto Livro que se interessaram pelo meu blog a hoje comparecem por lá sempre. Beijinhos :*

 

A Arte da Imperfeição, de Brené Brown – 184 páginas, ISBN 9788581630106,  Editora Novo Conceito.

_

A resenha foi escrita pela Ágata Bresil, do Tudo tem Refrão. Aqui no .Livro ela também resenhou "Conselho de Amiga", da Siobhan Vivian, e "Do Seu Lado", da Fernanda Saads.

5 comentários:

  1. \o... vou ter que ler esse livro, eu gosto de livros de auto ajuda, sempre li, acho interessante as ideias que as pessoas teem sobre a vida, e do jeito que você falou desse livro deve ser muito demais... quero ler com certeza!

    ResponderExcluir
  2. Eu também esperava que esse livro fosse totalmente diferente, e quando vi, li ele inteiro em uma noite! Foi algo bem impressionante.
    Também me vi colocando em prática tudo o que eu aprendi com ele e posso dizer: continuo fazendo isso até hoje. :)
    Adorei a resenha, Ágata.

    Um beijo,
    Luara - Estante Vertical

    ResponderExcluir

Olá, seu comentário é muito importante para nós.

Nenhum comentário aqui publicado sofre qualquer tipo de edição e/ou manipulação, porém o autor do blog se reserva o direito de excluir todo e qualquer comentário que apresente temática ofensiva, palavras de baixo calão, e qualquer tipo de preconceito e/ou discriminação racial, estando assim em desconformidade com nossa Política de Privacidade.

Oscar