6 de maio de 2013

A Arte de Ouvir o Coração [Resenha #126]

A Arte de Ouvir o CoraçãoSinopse: O alemão Jan-Philipp Sendker conseguiu um grande feito: com uma história de amor forte e emocionante, mas totalmente diferente das tradicionais, conquistou milhões de leitores por todo o mundo. Só na Alemanha, já são quinhentos mil exemplares vendidos. Este livro conta a história de um bem-sucedido advogado de Nova York que desaparece de repente sem deixar vestígios, o que motiva Julia, sua filha, a ir atrás da única pista que tem - uma carta de amor de seu pai para uma mulher da Birmânia. Mas tudo isso é só uma introdução para a grande história que o leitor, acompanhando Julia, vai conhecer a partir daí. Um velho de Kalaw começa, então, a falar sobre a infância de seu pai, um período difícil para o pequeno Tin Win devido à crença de sua mãe que dizia que o menino havia nascido em um péssimo dia. Quando chega aos 10 anos, e parece já ter passado por muitos momentos ruins, ele fica cego. Mas diferente da forma que geralmente encaramos as coisas, isso não parece o fim do mundo para Tin Win. Não há tristeza ou desespero, mas sim um novo desafio que o leva a desenvolver a arte de identificar uma pessoa pelo som do coração batendo. E é assim que ele conhece o amor de sua vida, Mi Mi. Uma garota que aos poucos vamos descobrindo que também teria motivos de sobra para desistir da vida, mas que simplesmente vive como se ela fosse um grande milagre. A história segue de forma tão impressionante que as deficiências de Tin Win e de Mi Mi se tornam um simples detalhe.

A Arte de Ouvir o Coração” é um livro que já impressiona pelo projeto gráfico da capa*. Não há como deixá-lo passar despercebido: diversos insetos tomam conta da capa que, em mãos, ainda nos surpreende por serem estes insetos, na metade de baixo, em verniz, e na superior em alto relevo. Gostei muito, acho que é uma das mais belas capas que já vi, mas ela casa com o título do livro? Sim, faz todo o sentido.

No livro, que marca a estreia do autor, o alemão Jan-Philipp Sendker, escrevendo em língua inglesa, somos guiados por Julia, que parte em busca de seu pai, um proeminente advogado que desaparecera sem deixar rastros após viajar em segredo para a Birmânia. Para aumentar o mistério, sua família – inclusive sua esposa – pouco sabem de sua juventude no país, sendo esse um dos poucos assuntos acerca dos quais ele não aceita ser questionado.

Como imigrante, Tin Win, o pai de Julia, se diferenciava dos demais americanos por ter mantido um estilo de vida discreto, apreciando música e se portando de forma que os outros achariam peculiar, sem, no entanto, dar qualquer mostra à sua família de que um dia poderia desparecer.

Julia decide, quatro anos após o desaparecimento, partir em busca de seu pai, saber o que aconteceu. Na Birmânia, é abordada por um velho que diz conhecê-lo, e, mesmo com ela relutando em acreditar, lhe conta uma história, e ela demora em aceitar sobre quem se trata.

O livro alterna constantemente a narrativa, mesclando as memórias de Julia, e sua busca pelo pai desaparecido, com os relatos do velho, chamado U Ba. Enquanto ela narra a história em primeira pessoa, U Ba utiliza a terceira, demarcando, claro, que tomou conhecimento dela por outra pessoa. Já questionei muito esse tipo de estrutura em outros títulos, mas aqui ela se dá de forma perfeitamente harmônica, e torna o livro agradável de ser ler, os fatos não acontecem precipitadamente, e, ainda, as inserções narrativas de Julia entremeadas às de U Ba nos permite acompanhar o que ela pensa sobre o que lhe vai sendo contado.

E a história impressiona. Tin Win, um garoto que é personagem da narrativa de U Ba, nasceu em uma data propícia para sortilégios – os birmaneses são supersticiosos e acreditam fervorosamente na influência dos astros em suas vidas – então seus pais ficam preocupados com seu futuro. Quando por fim algo ruim acontece, sua mãe compreende que os sinais já presentes em seu nascimento foram confirmados, e acaba abandonando-o. Penalizada, Su Kyi, uma vizinha, passa a cuidar dele como se fosse seu filho.

Tin Win sempre fora uma criança peculiar, isolada, dada a observar, sozinho, a natureza, então quando ele perde a visão, Su Kyi pensa consigo mesma que não sabe ao certo se ele ficou cego devido a uma doença ou se apenas se recolhera a um recanto ainda mais profundo de sua personalidade, onde ninguém mais conseguiria alcançá-lo.

O modo como ele passa a perceber o mundo à sua volta, através, principalmente, da audição, é o que dá título ao livro, e se complementa quando ele conhece Mi Mi.

Mi Mi é uma garota que nascera com um problema ortopédico que a impede de caminhar ereta. Dona de uma personalidade altiva e alegre, além de uma voz belíssima, é uma das personagens mais marcantes com a qual já tive contato em um livro, e seu encontro com Tin Win um “casamento” perfeito.

Ele não pode ver; ela, andar. Juntos têm todo o mundo diante de si.

(…) Ela não era um peso. Era necessária.

– Página 147

Um dos pontos positivos na construção dos personagens do livro é que o autor não faz deles heróis sem pontos fracos, nem, tampouco, portadores de necessidades especiais que são dignos da nossa profunda pena e admiração. Ao contrário, Tin Win em nenhum momento quer ser visto como inválido, e Mi Mi, apesar de ter de se locomover rastejando, mantém uma postura e asseios impressionantes, fazendo com que seja respeitada por todas as pessoas que a conhecem.

E não são isentos de falhas. Até aprender a usar seus novos sentidos, mais aguçados pela necessidade de compensarem a perda da visão, Tin Win cai e se machuca – principalmente em seu íntimo – diversas vezes; e Mi Mi, por sua vez, inveja silenciosamente as outras crianças que podem andar.

É uma bela história de amor, e, como tem de ocorrer nas melhores delas, assume na segunda metade do livro um tom melancólico, um sentimento de perda que vai aumentando a cada página, e segue até o desfecho. Esses trechos me fizeram questionar Tin Win, suas atitudes, sua passividade, permissividade e inércia quando não age, não busca o que todos os leitores que tiverem o livro em mãos acreditarão ser o natural, a coisa certa a se fazer.

Por outro lado, em um dos diversos momentos nos quais parei com os livros em mãos, pensando a respeito do que havia lido, me veio a noção de que nada é da maneira que esperamos para nossas próprias vidas, ainda mais nos casos onde não somos donos de nossos caminhos ou estamos presos a tradições, sentimentos de dever e subserviência aos quais apenas uma pessoa tão boa quanto Tin Win poderia se sujeitar e não se rebelar.

A última parte – o livro é divido em três – é bela, o final, tocante, terno, mas tenho comigo que ela não aplaca todas as perdas, as falhas; e fica aquela sensação de que os personagens deixaram tanto em aberto que jamais conseguiriam suprí-las, mesmo que se esforçassem muito.Tal qual na vida real.

Talvez por isso o livro tenha mexido tanto comigo.

 

A Arte de Ouvir o Coração, de Jan-Philipp Sendker (The Art of Hearing Heartbeats Tradução de Carolina Caires Coelho, 2013).  256 páginas, ISBN 9788565530279  Editora Paralela.

{A-}

 

 

* Descobri ao pesquisar os créditos que a capa de “A Arte de Ouvir o Coração” é da Joana Figueiredo. Ela também é a responsável pela capa de “A Menina que Fazia Nevar”.

38 comentários:

  1. Uau!!! Essa resenha ficou com cara de desabafo, catarse pós-leitura, ganhando ritmo e intensidade do meio para o fim. Amei...

    Sabe Deus quando vou poder ler esse livro, mas ele já está desde já em minha lista!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, o livro foi me prendendo devagarinho, quando dei por mim já tava gostando muito, e até demorei mais do que o normal para ler, os capítulos finais me são caros tive que ir devagar neles, para aproveitar.

      Excluir
  2. Adoro histórias que me levem a um mundo, um lugar e a pessoas diferentes. Adoro os livros de Jostein Gaarder (autor nórdico) por isso! E esse aparenta não ficar nem um pouco atrás!

    ResponderExcluir
  3. Há algum tempo já superei meio preconceitozinho de livros que deixam coisas em aberto, e hoje já os adoro. É impossível resolver tudo em algumas páginas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isabel, as coisas são resolvidas, mas achei que não compensam por completo o que foi sofrido até ali. Mas vale ler, muito!

      Excluir
  4. Alguns livros pegam a gente de jeito e nos despertam questões totalmente inesperadas, parece que esse livro te tocou de uma maneira especial. Adorei a capa, eu adoro insetos e às vezes passo horas no quintal da minha casa mexendo nas plantas e observando insetos diferentes que aparecem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cris, é um livro que te conquista aos poucos, e, quando você percebe, já está completamente envolto na trama. Gostei muito.

      Excluir
  5. Oi Luciano!
    Dá para ficar um tempão olhando para essa capa... Linda mesmo!
    Conheci o livro agora através da sua resenha e já quero ler. A história parece ser bonita, achei interessante como o casal tem falhas que se completam.

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sora, a capa é das mais bonitas que já vi, gosto muito dela. É uma bela história, o final é bastante tocante, vale a pena ler.

      Excluir
  6. Luciano, que resenha intensa. Parece ser um daqueles livros com o qual você vai construindo uma relação aos poucos e quando chega no final, você se sente "órfão".
    Ah, quando personagens são tão sujeitos a falhas quanto nós, sempre tenho uma identificação maior. Só que, pra mim, são poucos os autores que conseguem botar isso de uma força sem soar forçada.
    Enfim, agora eu quero ler esse livro. O mais rápido possível.

    Um beijo,
    Luara - Estante Vertical

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luara, exatamente. No final já estava tão envolvido com o livro que tudo o que aconteceu ali tomou um significado bem maior. O autor soube explorar bem seus personagens, enfim, gostei muito, vale ler.

      Excluir
  7. Quando vi a capa pensei que falava sobre insetos, bichos (não ria de mim, ok?), mais só fui realmente entender quando dei uma lida na resenha. O livro me parece ser uma história tão envolvente, que fiquei super curiosa para admirá-la. Adorei sua resenha, bem detalhada!

    Beijos, Blog Admirando os Livros.

    ResponderExcluir
  8. Eu concordo plenamente, esta capa é de tirar o fôlego, linda.
    A história parece muito emocionante e os personagens bem construídos. Acho que histórias assim, com personagens sujeitos a erros e acertos, falhos mas também virtuosos, tornam tudo mais real, mais envolvente.
    Quero muito ler este livro, fiquei "apegada" só de ler a resenha. rs
    bjs

    ResponderExcluir
  9. Que legal saber que a leitura te satisfez, te conquistou lentamente e que você amou o livro. Dá pra perceber na resenha o quanto você gostou. Outra coisa legal é saber que o livro de estreia de um autor já ganha espaço não só nas prateleiras , mas no coração dos leitores. Também adorei a capa.

    ResponderExcluir
  10. Belissima resenha com certeza vale a pena ler

    ResponderExcluir
  11. É verdade, a capa em si (só se alguém não tiver problemas com insetos, assim como algumas pessoas ue conheço qu e sairiam correndo se vissem) já nos chama para uma possível boa leitura.
    Amei que a narrativa se alterna, acho isso muito legal, principalmente quando o autor acerta e não nos faz se perder.
    Parece mesmo ser um livro muito bom e já vi que você deve ter ficado com o coração na mão em algumas partes.
    Pretendo ler!

    ResponderExcluir
  12. Eu não tinha me atentado a esse livro quando saíram os lançamentos, mas sua visão da história me deixou com tanta vontade de ler. Creio que esse livro seja subestimado pela maioria.

    ResponderExcluir
  13. Adoreeeei conhecer esse livro. Sou apaixonada por todos os autores alemães que eu já li. Ótimo saber de mais um. Vou procurar esse pra ler em alemão mesmo. :D
    Olhando assim eu não gostei da capa, mas pelo que você falou deve ser linda!

    ResponderExcluir
  14. Fiquei impressionada com sua resenha,envolvente e esclarecedora.O livro por si é muito bom, já havia lido sobre ele e acredito que vou amar mais ainda quando lê-lo.

    ResponderExcluir
  15. Me emocionei lendo a resenha! O livro é lindo, historias de personagens especiais, sempre me emocionam muito! Com certeza um livro tocante e verdadeiro, com personagens que a gente pode muito bem encontrar na vida real...a capa??? É lindaaaa demais, e eu com certeza vou querer ler essa belissima história! Parabéns pela resenha!

    ResponderExcluir
  16. adorei sua resenha e mesmo sem ler já adorei o livro, amo esses livros que nos colocam para pensar sobre a vida e nosso papel aqui na terra!
    Quero muito ler
    bjos

    ResponderExcluir
  17. Acho que só lendo o livro mesmo eu entenderia esse monte de bicho na capa hahahahaha. É que eu tenho nojinho hehehe.

    Mas parece ser um romance diferente e interessante, e a Paralela está com um catálogo tão bom que eu nem desconfio de seus livros. Que linda resenha!

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lu, exatamente, mas olha, faz todo o sentido do mundo.

      Excluir
  18. É interessante como dá pra perceber quando uma resenha é escrita por obrigação e quando ela é escrita porque realmente gostou do livro. E dá pra ver que vc realmente gostou do livro. estou fascinada com o enredo e ja louca pra ler. Entrando para minha lista de leitura de 2013!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acabei comprando o livro por causa de sua resenha!!

      Excluir
    2. Aline, boa leitura ;) Espero que goste.

      Excluir
  19. Nunca tinha ouvido falar desse livro, a capa é linda demais mesmo, pelo menos eu amei o padrão!
    A história parece ser do tipo que prende, então já corri jogar no meu skoob =]

    Boa Resenha!
    Miquilis: Bruna Costenaro

    ResponderExcluir
  20. Adoro histórias assim, possíveis, com personagens humanos e que vivam situações reais. Gosto dos dramas e dessa busca pelo passado revelador. Quero muito me encantar com a leitura desse livro!
    E o título é inspirador!

    ResponderExcluir
  21. Nunca tinha visto esse, mas a resenha me envolveu e acho que vou comprar!

    ResponderExcluir
  22. Muito interessante essa históris, me lembrou um filme que assisti que tinha "O Mistério da Libélula" com Kevin Costner, só que no caso era a filha dele.

    ResponderExcluir
  23. Oi Amigo,
    Nossa fiquei pensando em tudo que escreveu e em como a vida é boa para tantas pessoas que nem a notam, fiquei a divagar sobre como seria não poder andar ou ver. E se esse livro mexeu com você, ele pode vir a cutucar a mente de muitos leitores.

    Por fim só posso dizer que a capa está lindíssima.

    Beijokas elis!!
    http://amagiareal.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  24. Não conhecia esse livro, porém realmente, a construção da capa chama demais a atenção. O livro parece ótimo, porém parece ser aquelas histórias em que você tem que estar no 'espirito' adequado para ler. Pela resenha eu diria que te faz refletir ao ponto do livro A Guardiã da Minha Irmã, quando você pensa que tudo vai ser de um jeito e as coisas mudam totalmente.
    Livros assim valem a pena, espero que eu consiga lê-lo! ^^

    ResponderExcluir
  25. Gostei muito da sua resenha e esse livro pelo que conta tem uma história muito linda. Gosto de leituras que me fazem refletir e ver que a gente reclama de barriga cheia. Quero muito conhecer Tin Win.

    A capa me chamou atenção e ainda não a vi de perto que imagino seja muito bonita.

    Beijos



    Saleta de Leitura

    ResponderExcluir
  26. A resenha ficou muito boa. O livro me parece ter uma estória muito emocionante, sem falar na capa que é bem diferente e bonita. Não sei se vou gostar da leitura mas acho que é um livro e tanto.

    ResponderExcluir
  27. ainda não tinha visto nenhum outro blog resenhar este livro, parece ser bem legal... a capa é linda mesmo né?

    ResponderExcluir
  28. Uau. Não tinha visto nenhuma resenha desse livro ainda, mas agora fiquei muito curiosa. A capa e o título me chamaram a atenção. Tomara que quando eu for lê-lo, ele mexa comigo também. :)

    http://desventurasembooks.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  29. Esse livro é muito diferente do que eu pensei dele, a capa me deixou muito curiosa e eu gostei muito.

    ResponderExcluir
  30. Terminei de ler o livro agora e eu simplesmente amei,eu viajei por ele e a cada capitulo me deliciava e me apaixonava mais por cada personagem, no entanto fiquei em duvida sobre o final,quando Julia recebe e vê as fotografias antigas e reconhece o garoto da foto ( que acho que é U Ba ) e sai a procura dele, quem na verdade era U Ba ? Algum irmão dela ? Adorei a resenha !

    ResponderExcluir

Olá, seu comentário é muito importante para nós.

Nenhum comentário aqui publicado sofre qualquer tipo de edição e/ou manipulação, porém o autor do blog se reserva o direito de excluir todo e qualquer comentário que apresente temática ofensiva, palavras de baixo calão, e qualquer tipo de preconceito e/ou discriminação racial, estando assim em desconformidade com nossa Política de Privacidade.

Oscar