17 de março de 2014

Fênix: A Ilha – Fênix Livro 01, de John Dixon [Resenha #163]

Fenix A ilha - tEXTO


 


Sinopse: Sem telefone. Sem sms. Sem e-mail. Sem TV. Sem internet. Sem saída. Bem-vindo a Fênix: A Ilha. Na teoria, ela é um campo de treinamento para adolescentes problemáticos. Porém, os segredos da ilha e sua floresta são tão vastos quanto mortais. Carl Freeman sempre defendeu os excluídos e sempre enfrentou, com boa vontade, os valentões. Mas o que acontece quando você é o excluído e o poder está com aqueles que são perversos?


Quando li as primeiras notícias sobre a produção de Intelligence, o que mais me chamou a atenção foi a presença, no elenco da série, do ator Josh Holloway. Eu sou fã de Lost, muito! Lost é vida, e  Sawyer – personagem vivido pelo Holloway  - é o mais fodão de toda a série, e, certamente, o personagem melhor construído. Estando perto de finalmente terminar a série – estou na sexta e última temporada – ter um novo produto com o ator foi como um presente.

Em Intelligence, Holloway é Gabriel,um soldado de elite das forças armadas americanas que possui uma mutação genética rara, que permite que se façam neles alguns upgrades tecnológicos que o deixam mais rápido, forte e etc., mas seu principal “truque” é que ele se torna um ponto de wi-fi ambulante que apenas ele pode acessar, buscando em tempo real perfis de suspeitos, mapas, e, inclusive, imagens de satélites. Tudo muito interessante, e, apesar de um ou dois episódios fracos, a série me manteve animado.

Até que recebi o “Fênix: A Ilha”, da Editora Novo Conceito, e, se a capa do livro já me chamou muito a atenção, fiquei ainda mais surpreso com a chamada “O livro que deu origem à série Intelligence”. Eu tinha que ler aquilo logo!, e foi o que fiz.

Um primeiro ponto a se comentar é que a série não é uma adaptação literal do livro, e eu agradeço por isso, então se já assistiu a algum episódio, fique tranquilo, o que encontrará no livro será tudo novidade, e vice-versa. De certa forma, os criadores da série utilizaram a ideia central do livro, mas optaram por seguir um caminho diferente depois disso.

No livro, conhecemos Carl Freeman, um garoto encrencado, que passara por dezenas de lares adotivos, instituições para menores, abrigos e etc. e, em sua última façanha, nocauteara meia dúzia de jogadores de futebol americano na escola onde estudava. Sozinho. O juiz atenta para o fato de Carl sempre  justificar sua atitude da  mesma forma: “eles não quiseram parar”, e havia em suas ocorrências componentes recorrentes, que era a figura do valentão e do garoto perseguido e humilhado por todos.

É fácil ligar os pontos e perceber que o briguento Carl – que coleciona vitórias como lutador juvenil de boxe – é um bom rapaz, e que age sempre para proteger alguém que precisa de amparo, e que está sendo humilhado. Ele é bem diferente do adolescente problema, turrão, birrento e desbocado. Carl, praticante do boxe como é e já vacinado pelas milhares de vezes em que teve que justificar suas ações frente à adultos, sendo reprimido em todas elas, sabe que mesmo se falar muito não conseguirá sair ileso, então é econômico nas explicações.

O mais complicado  -  e interessante-  é entender as razões pelas quais ele chama os garotos em quem bateu de “eles”, mesmo quando só havia um deles na briga.  Isso quer dizer que ele generaliza determinado perfil, e não consegue se controlar quando se depara com esses garotos protagonizando uma situação de abuso. Interessante isso, e diz muito sobre ele.

Bom, a narrativa do livro se desenrola quando ele é enviado, como punição, para uma ilha, a  Fênix, um tipo de acampamento militar para adolescentes problemáticos, onde terá de ficar até atingir a maioridade, com a promessa de sair de lá com a ficha limpa e a possiblidade de recomeçar do zero. Mas ele logo desconfia do lugar: ninguém sabe ao certo onde estão, e, para chegar até lá, pegaram um avião no meio do México, a vida selvagem é extremamente hostil, com direito a aranhas enormes, há uma cerca elétrica cortando a ilha ao meio e os instrutores são ainda mais rigorosos que se esperaria de um lugar como aquele sendo os castigos físicos constantes. A todo momento ele se pergunta no que acabou se metendo.

Como se não  bastasse, ele ainda ganha de cara a antipatia do instrutor mais  linha dura do lugar, que faz de tudo para que: a) ele saia da linha e tenha de pagar inúmeros castigos; e, b) saia da linha e assim possa castigar também os outros garotos “com os cumprimentos do Sr. Freeman”, fazendo com que o restante da turma também o odeie.

O que faz com que Carl ganhe a alcunha de Hollywood, porque, segundo o tal intrutor, Parker, ele é um “indivíduo”, se acha melhor como os outros, e, uma hora, imagina, e sob constante vigilância e castigos, ele terá de aprender a força que tem a coletividade, e pensar menos em si mesmo.

Eu gostei, muito! Sério! O livro é bem narrado, e, tendo um protagonista boxeador, fica claro que cenas de ação e, em especial, lutas serão constantes, e todos sabemos o quanto elas podem nos decepcionar  – vide a dona J.K. Rowling, que no “Harry Potter e as Relíquias da Morte” deixa o pau comendo solto nos jardins e corredores de Hogwarts enquanto focava na busca de Harry por um artefato mágico. Eu queria ação, por isso fiquei tão emocionado e grato pelo embate entre Molly e Belatriz. – em Fênix: A Ilha, as cenas de luta são  muito bem desenhadas e o leitor não tem dificuldade alguma de  acompanhar os movimentos e imaginá-los com nitidez. E isso é um oferecimento do autor ex-pugilista, que faz toda a diferença e nos brinda não apenas com uma bela demonstração de socos e esquivas – e seus efeitos em Carl como atacante e em seus adversários - mas também nos dá uma bela aula de boxe, indicando como movem a cabeça, onde estavam posicionados seus pés, como se moveram, enfim, a partir de agora este é meu padrão de qualidade para cenas de lutas.

Há mistério o suficiente no livro para deixar o leitor ansioso pelas próximas páginas, mas acredito que Carl é um personagem tão marcante que ele fica acima disso. Como figura ele é maior. Torci por ele quaisquer que fossem as situações, mas nem por isso deixei de achá-lo um pé no saco em determinada passagem. O livro também tem personagens ricos, que ficam orbitando ao redor da imagem que fazemos de Carl, e, enquanto algumas dessas relações são  bem nocivas ao protagonista, outras são o que fazem com que ele mantenha a sanidade em um clima de uma hostilidade aberta.

Lá pelo meio da narrativa há um marco bastante claro que divide o livro. Gostei um tanto menos da segunda parte. Nelas são explicadas as razões de os garotos estarem naquela ilha – e finalmente compreendi como o livro se conecta com a série de tv – e Carl tem de tomar decisões. Aconteceu com Fênix o mesmo que aconteceu com Lost: enquanto misteriosa, a ilha era bem mais intrigante.

Mas, no fim, tem-se um bom livro, bastante competente para ser o primeiro de uma série. Carl se mantém íntegro e não nos decepciona. Se um personagem forte é um bom caminho para a construção de uma série, então John Dixon começou muito bem.

 

Fênix: A Ilha, de John Dixon (Phoenix Island, 2014 Tradução de Camila Fernandes, 2014) – 336 páginas, ISBN 9788581633824, Editora Novo Conceito.

{B+}

31 comentários:

  1. Eu sou uma das poucas pessoas desse mundo que não torce o nariz para adaptações; eu sempre prefiro ver antes de julgar (menos a de 1984, eu nunca vou superar isso). Eu nunca vi Lost e já sei o que acontece, não sei, o santo da série não bateu com o meu, mas a sinopse de Fênix me pareceu mais interessante. Eu acabo nunca acompanhando séries de sci-fi, mas eu me arriscaria nessa. O fato de a série não ser a reprodução literal do livro também ajuda, quanto mais material, melhor!!!!

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lu, também gostei de a série não ter adaptado o livro literalmente, palavra por palavra, assim ficamos com produtos distintos focados na mesma ideia. Eu estou gostando de Intelligence, tem episódios ágeis, tomara que vá longe.

      Sobre Lost, bem, eu sou super fã da série, rsrs.

      Excluir
  2. Detalhe: consigo pensar em várias piadas de qualidade questionável sobre um cara ser um ponto de wi-fi #pavêoupracomê

    ResponderExcluir
  3. Por toda a minha adolescência, e talvez ainda agora, eu gostaria de ter sido o tipo de garota solida que consegue socar qualquer um ou qualquer uma, em síntese, apesar de não gosta de suspense, apesar de não ser fã de Lost, apesar dos pesares eu me sinto totalmente atraída para essa história. Eu tenho um fraco por meninos problema especialmente quando os professores deles não sou eu kkkk....

    Vai para a lista \o/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Somos dois, eu queria saber defender melhor minhas opiniões, mesmo tendo de pagar caro por elas. Carl é um garoto problemas mas ele não é um rebelde birrento e sem causa, acho que por isso gostei tanto dele.

      Agora, como assim você não é fã de Lost?????

      Excluir
  4. Nossa, eu tô louco por esse livro! - e também pelo seriado! Ainda não tive contato com nenhum dos dois, mas primeiro quero ler o livro e depois conferir a adaptação, e fico surpreso em saber que não é totalmente literal, apenas pega o sentido da história. Só vendo para saber se é algo positivo ou não.
    Pela sua resenha, já fiquei bastante empolgado, então vou tratar de ler o quanto antes, ainda mais que a NC adiantou esse lançamento!

    Abraços,
    - pensamentosdojoshua.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Joshua, eu gostei bastante. Tem lá seus defeitos e perda de ritmo, mas conseguiu me manter atento. Vale a pena ler ;)

      Excluir
  5. Já me convenceu. Vou ler logo!!
    Não acompanho série, sou bem relapsa nisso. Na verdade é que é muita falta de tempo. Então fico acompanhando o quê vocês falam delas. E se você diz que o livro e a série são legais. Eu vou tentar me aventurar nisso também!

    Adorei!!

    Bjkas

    Lelê Tapias
    http://topensandoemler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lele, eu também queria ter mais tempo para conseguir acompanhar ainda mais coisas, mas fazer o quê..... Gostei bastante do livro, vale a pena ;)

      Excluir
  6. Fiquei muito interessada em ler o livro e quando soube que ele deu origem a série Intelligence não alterou nada, pois não acompanho a série. Talvez agora fique curiosa em ver após ler o livro.
    Uma história com mistérios e muita emoção é preciso ler esse livro.
    Excelente resenha e adorei saber sobre a série e mais ainda de sua empolgação.

    Um lindo dia!

    Beijos

    Saleta de Leitura

    ResponderExcluir
  7. Oi, Luciano!
    Pelo menos a ilha Fênix existe!
    O livro deu origem à série, mas o final da série é diferente do livro :D
    Melhor assim... ou não.
    Beijus,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luma, eu gostei que seja diferente ... a série usa bem a ideia central do livro, e os roteiristas conseguiram expandi-la. Bom, gostei ;)

      Excluir
  8. Uau, eu vou começar a leitura desse livro hoje, mas antes eu tinha de vir conferir sua resenha para saber o que eu ia encontrar e só posso dizer que espero gostar tanto quanto você. Gostei dos pontos que levantou e fico ansiosa para ver as cenas de luta, pois eu gosto de imaginar um filme enquanto leio. Obrigado pela palavras e por aguçar minha curiosidade.

    Bjus elis - http://amagiareal.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Elis, boa leitura!! O livro é bem escrito e envolvente, espero que gosta também ;)

      Excluir
  9. Oi Luciano. Estava super curiosa para ler esse livro porque pela sinopse achei muito legal. Depois dessa sua resenha a vontade de ler só duplicou.haha
    All My Life in Books

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Natália, a distância eu estou mais crítico quanto ao livro, mas ainda vale a pena ler ;)

      Excluir
  10. Luciano, muito obrigado por este grande revisão e para dizer tantas pessoas sobre o meu livro. Eu vi seu comentário no blog da Elis e seguiu-o aqui. Muito obrigado!

    ResponderExcluir
  11. Nada neste livro tinha me chamado a atenção até ler sua resenha. Confesso que nem a sinopse tinha lido ainda.
    Achei o enredo MTO interessante e saber que o autor é ex-pugilista simplesmente me cativou! (vai se entender a mente feminina não?) ahahahaha
    Com certeza entrou para minha wishlist

    ResponderExcluir
  12. Estou MUITO curiosa pra ler esse livro!! Serio desde quando lançou e li a sinopse fiquei muito curiosa pela ideia que o autor teve, e alem da capa que ficou bem legal.

    ResponderExcluir
  13. Esta ai uma história que não vejo a hora de ler. Seus comentários me fizeram mais ansiosa ainda pra saber como é e como termina. Pelo que notei tem muita coisa emocionante nesta leitura. Beijos.

    ResponderExcluir

Olá, seu comentário é muito importante para nós.

Nenhum comentário aqui publicado sofre qualquer tipo de edição e/ou manipulação, porém o autor do blog se reserva o direito de excluir todo e qualquer comentário que apresente temática ofensiva, palavras de baixo calão, e qualquer tipo de preconceito e/ou discriminação racial, estando assim em desconformidade com nossa Política de Privacidade.

Oscar