21 de agosto de 2014

K-On! – Volumes 1 ao 4, de Kakifly [Resenha #184]

K-On - Texto Final


Sinopse: Afine sua guitarra e faça seu exercício vocal, porque a banda mais esperada pelos brasileiros está prestes a invadir o Brasil. É o mangá K-ON! que está pronto para chegar com tudo.

O clube de música do colégio está prestes a fechar as portas por falta de integrantes, e a única saída é completar a cota colocando Yui Hirasawa como guitarrista. O problema é que a garota nunca tocou numa guitarra… na vida. Junto com a baixista Mio Akiyama, a baterista Ritsu Tainaka e a tecladista Tsumugi Kotobuki, Yui vai aprender os desafios de ser uma grande estrela da música ao mesmo tempo em que precisam estudar para as provas.

K-ON! é uma das histórias mais pedidas pelos fãs, e agora chega ao Brasil pela NewPOP Editora. As engraçadas aventuras de Yui no clube de música foram publicadas como Yon-komas, que permitem que você leia relaxadamente e divirta-se com as confusões das meninas.


K-On! é uma mangá de autoria do mangaká Kakifly e foi serializado originalmente na revista Manga Time Kirara, e compilado posteriormente em quatro volumes encadernados. Mais tarde, outros dois volumes foram lançados, o K-ON! Colégio e o K-ON! Faculdade. Todos os seis volumes foram trazidos ao Brasil pela NewPop Editora.

A história gira em torno de um grupo de colegiais – Ritsu, Mio, Mugi, Yui e um pouco mais tarde Azusa – que se reúnem em um clube escolar de “Música Leve”, que aqui tem um sentido mais ou menos como “não clássica”, ou seja, música pop e afins. Em japonês a definição do clube é keyon, e é daí que vem o título da série.

Personagens

Na imagem, da esquerda para a direita: Mugi, Ritsu, Mio e Yui.

Ritsu é quem deseja mais ativamente entrar para o clube, e ela praticamente arrasta a amiga Mio para lá e, quando vão se inscrever, descobrem que o clube está quase sendo fechado por falta de membros. Preocupada, com o tempo Ritsu consegue mais duas integrantes, número mínimo para a manutenção do clube, são elas Mugi e Yui.

Como se trata de um clube musical, cada uma das meninas fica responsável por um instrumento, e isso reflete bastante a personalidade de cada uma: Ritsu a baterista, é a mais agitada do grupo, a menina que não consegue ficar parada; Mugi é a tecladista, uma garota meiga e rica – nas palavras de Yui “muito rica!”, ao ponto de ter um mordomo trabalhando em sua casa – que além de fazer parte do clube é quem fornece doces e bolos para as garotas, tudo vindo de sua casa; Mio é a baixista, é bastante tímida e faz um contrapeso interessante com Ritsu, visto que as duas se conhecem desde o jardim de infância; e Yui, a última achegar, que acaba ficando com o instrumento que faltava: a guitarra.

O interessante é que Yui não sabe tocar instrumento algum, e só entra para o clube porque fica envergonhada com tamanha receptividade que recebe das meninas, especialmente de Ritsu, pois era a peça que faltava para manter o clube em atividade. Sem conseguir se desvencilhar do compromisso, ela aceita, e até mesmo compra uma guitarra.

K-On!

K-On! é um mangá que segue o estilo yonkoma, que tem como característica sua formatação em quatro quadros dispostos na vertical, o que lembra muitos nossas tirinhas de jornal. Mas o yonkoma tradicionalmente segue o estilo de narrativa oriental chamado de Ki-shou-ten-ketsu, caracterizado pela narrativa distribuída em introdução, ação, reviravolta, e fim – geralmente cômico – com cada um deles representado em um quadro.

Na figura abaixo – apenas para demonstração – pode-se ver a ordem de leitura do mangá: a orientação de leitura é sempre em sentido vertical, partindo do topo da página, e se lendo primeiramente a coluna da esquerda – em vermelho – e então a coluna da direita – em azul. Para quem está acostumado com a leitura oriental de mangás, o sistema causa uma certa confusão no início, mas a adaptação é rápida.Orientação de leituraApesar do nome do mangá ter relação com música, este não é o foco da série, e isso pode frustrar os desavisados. O charme do mangá – como em praticamente todo mangá de rotina escolar – é nas relações entre os personagens, e nas diversas situações que tendem a culminar em romance ou, na maioria das vezes, humor. E K-On! tem muito de humor.

Sério! Gargalhei em diversas situações! O mangaká Kakifly tem um timing excelente para comédia, às vezes estava tudo correndo de forma normal, quando uma só palavra degringolava tudo para a comédia e eu não me continha.

Como se trata de um mangá voltado ao demográfico seinen – que compreende homens de 20 a 40 anos – há a sugestão de temas que pode não ser muito bem aceitos por nós, ocidentais. K-On! até que pega leve no assunto, o máximo que é visto são jogos de palavras, saias um tanto mais curtas, e vislumbres de roupas íntimas, tudo isso ligado à cenas cômicas. Não é o tipo de mangá que mais gosto, mas também não achei apelativo.

Pra finalizar, tenho que parabenizar o trabalho da NewPop – mas com ressalvas. Eu fico bastante admirado com o trabalho da editora e sua preocupação em trazer para seu consumidor um produto de qualidade, com seus títulos sendo publicados em papel offset – o normal dos mangás é a publicação em pisa brite, que lembra jornal e que deteriora muito rápido – e por um preço extremamente acessível. K-On!, por exemplo, saiu com preço de capa de R$14,90.

Mas tenho que apontar alguns detalhes bem chatos: podem ser encontrados alguns erros gramaticais e de digitação que à grosso modo deveriam ser bem fáceis de serem corrigidos durante a revisão. Com uma editora que aposta em seus produtos publicando-os com melhor qualidade gráfica que as concorrentes, era de se esperar uma revisão mais criteriosa.

 

K-On

K-On! Vol. 01, de Kakifly (けいおん! - Keion!, 2008 Tradução de Karen Kazumi Hayashida, 2011) – 120 páginas, ISBN 9788560647767, NewPop Editora.

{A-}

K-On! Vol. 02, de Kakifly (けいおん! - Keion!, 2009 Tradução de Karen Kazumi Hayashida, 2012) – 120 páginas, ISBN 9788560647767, NewPop Editora.

{B+}

K-On! Vol. 03, de Kakifly (けいおん! - Keion!, 2010 Tradução de Karen Kazumi Hayashida, 2012) – 120 páginas, ISBN 9788560647705, NewPop Editora.

{B+}

K-On! Vol. 04, de Kakifly (けいおん! - Keion!, 2010 Tradução de Karen Kazumi Hayashida, 2012) – 120 páginas, ISBN 9788560647712, NewPop Editora.

 {A-}

 

banner

Minha leitura de “K-On!” fez parte da Maratona #Cacilda-A-Thon

5 comentários:

  1. Você, como sempre, incentivando o meu consumismo literário. Já descobri a New Pop, agora você Luciano do meu coração de melão, precisa me dizer onde compra on line, porque eu quero comprar o Helena que eles lançaram também :)

    K-on! parece ser fofo e querido, eu sou uma fã mais descarada dos shoujos, mas outros gêneros também me alegram o coração!!!

    Cheros Luciano :p

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nada a ver com a história, mas você falou de coração de melão e eu lembrei disso

      https://www.youtube.com/watch?v=_QMK3xB02LE

      HAUHAUHAUAHUAHUAHAU

      Excluir
    2. Hahahaha! Ai minha gente!

      Jaci, a NewPop temum catálogo incrível, com muitos títulos do CLAMP, vale a pena dar uma olhada. E é o que já te disse, procure na LigaHQ ou na Comix. Algumas coisas também podem ser encontradas na Saraiva.

      ;)

      Excluir
  2. Meu problema com mangás, na maior parte das vezes, é com o traço. Tem cenas que eu nem consigo enxergar o que acontece. Isso está mudando agora que comecei a ler Sakura Card Captors e Samurai X, acho que com o tempo vou me acostumar ao estilo. K-On parece ter um traço bem organizado e claro, e como são apenas 4 volumes, acho que eu conseguiria ler numa boa! Vou procurar, espero que seja fácil de encontrar na internet - se tem uma coisa que me dá preguiça é ter que ir atéééé o Bairro da Liberdade atrás de um mangá haahuahuahauhau

    Abraços!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hum, se tem problemas com traços acho que você se daria bem com série shoujo, que é o demográfico que compreende as meninas mais jovens, e que tem como característica um traço mais limpo. K-On é relativamente fácil de encontrar, tem sempre na Comix ;)

      Excluir

Olá, seu comentário é muito importante para nós.

Nenhum comentário aqui publicado sofre qualquer tipo de edição e/ou manipulação, porém o autor do blog se reserva o direito de excluir todo e qualquer comentário que apresente temática ofensiva, palavras de baixo calão, e qualquer tipo de preconceito e/ou discriminação racial, estando assim em desconformidade com nossa Política de Privacidade.

Oscar