29 de outubro de 2012

Cósmico [Resenha #079]

Cósmico

 

 

 

 

 

 

Sinopse: Liam Digby é um garoto comum de doze anos. Um garoto comum de doze anos muito, muito, muito alto. E com um pouco de barba. Algumas pessoas até achavam que ele era um adulto. Cósmico é a incrível história de como Liam contou algumas mentirinhas, quase roubou um Porsche, visitou um parque de diversões e meio que acidentalmente foi parar no espaço.

Tá certo que não se deve julgar um livro pela capa. A gente sabe disso faz tempo, mas mesmo assim não resiste. Não há muito o que se fazer quando um garoto te olha timidamente por trás do visor do capacete de um taikonauta – você só fica sabendo disso depois, mas não importa. Ele te conquista, e você simplesmente tem de saber o que ele faz ali.

Liam tem doze anos e é um garoto grande demais para sua idade. Até uma excursão com turma do colégio para um parque, ele acreditava que esta era a razão pela qual todos achavam que ele deveria ser mais adulto, agir com mais responsabilidade. No parque, foi o único que pôde brincar no maior brinquedo do local, todos os outros não atingiram a altura mínima; até que ser grande demais para a idade não era algo exclusivamente ruim. Na saída, é confundido com um adulto, o que lhe dá a oportunidade para ficar por ali mais algum tempo e experimentar mais algumas vezes o tal brinquedo. Quando é encontrado pelo pai, que questiona o operador do brinquedo por que ele tinha deixado uma criança desacompanhada subir no aparelho, vem a revelação: o operador achava que ele era um adulto não por ser muito grande, mas por ter barba.

A primeira coisa a se dizer sobre Liam é que ele é deslocado. Uma criança em um corpo grande demais, frequentando uma classe avançada da qual não gosta e passando o resto do tempo jogando World of Warcraft. Seus pais insistem para que ele faça amigos reais, e não somente os virtuais do MMORPG. O argumento de Liam só faz aumentar a certeza de como é incomodado por parecer mais velho do que é: no World of Warcraft ninguém o julga pelo que é no mundo real, não importa se é alto, baixo, gordo ou magro, ali o importante é seu avatar, e não com o que seu dono se parece.

Os garotos se identificarão mais com o espanto de Liam quanto à barba que as meninas. Você entra em parafuso quando descobre que tem barba. Eu entrei em parafuso quando descobri os primeiros fios. É um salto muito grande: numa hora você é um garoto, na outra tem barba. É como se de manhã você assistisse ao Pequenas Empresas Grandes Negócios e à tarde tomasse chá com o Eike Batista a bordo de um Gulfstream. E a grande maioria dos garotos fará a mesma coisa que Liam fez: se barbeará às escondidas, e aparecerá na frente da família com a cara toda ensanguentada.

Com isso o desconforto de Liam só aumenta. Ser grande demais já é bastante chato, mas ter barba completa todo o pacote. O incômodo que se sente é tamanho que durante parte do livro acreditei que a maioria das histórias eram passagens inventadas por ele, um tipo de mundo particular que lhe permitia uma fuga do real, como quando ele ficava imerso em partidas de jogos online. Mas logo se descobre que não.

A fim de ser mais sociável, sua mãe o coloca em um curso de teatro, onde ele conhece Flórida,  uma garota que só pensa em celebridades e se tornar uma, com quem volta para casa de vez em quando. Até que alguém acha que ela é sua filha. Vocês não tem ideia de onde isto os levará.

Claro que entram na brincadeira e, crianças como são, algo quase dá muito errado, o que rompe a tênue amizade que vinham formando. Até que Liam recebe uma mensagem em seu celular dizendo que ganhara uma promoção e que poderia ser um dos escolhidos para visitar um novo parque de diversões, de uma megacorporação chinesa. Uma espécie de gincana como a de “A Fantástica Fábrica de Chocolate”.

O pai de Liam diz que aquilo é uma pegadinha, que ele ligará para o número dado na mensagem e ficará horas em espera, ouvindo uma música chata enquanto é tarifado de todas as formas possíveis pela ligação. Então nada feito. Mas Liam decide ele mesmo ligar, e consegue o prêmio, mas há um problema: é uma viagem de pais e filhos. Não que seja um problema tão grande, Liam já tivera uma filha, mesmo que de brincadeira. Flórida. Tudo que tem de fazer é convencê-la.

É o melhor do livro: Liam garoto se passando por um pai. Para não contar o livro todo, posso dizer que vão para o deserto de Gobi, são treinados, e acabam sendo enviados para o espaço como as primeiras crianças a fazê-lo: a tal megacorporação chinesa acredita que as crianças serão responsáveis pela conquista do espaço, pois, devido às grandes viagens, se saírem da Terra ainda criança, chegarão ao destino jovens adultos. Este é o principal brinquedo do tal parque: uma viagem de ida e volta em torno da Lua.

Mais que sobre uma aventura memorável, o livro se mostra uma excelente obra que trata do relacionamento entre pais e filhos. Nem sempre é fácil ser filho, que dirá pai. Liam percebe isso quando se torna pai de Flórida, e quando tem de representar bem o papel na frente dos pais das outras crianças no parque. Ali ele percebe toda a verdade, em como a vida adulta é desperdiçada sendo adulto, onde golfe é um esporte emocionante e quase todo o resto é inapropriado. Ele não demora a entender que os adultos se esquecem rapidamente do que é ser criança.

As últimas 62 páginas são as melhores páginas de literatura juvenil que já li. Na perspectiva de um pai, um Liam ainda garoto pode julgar com maior propriedade o que significa “ser pai” e o que todo pai deveria fazer para o bem não apenas do seu filho, mas sim de modo a construir uma relação com ele. Na relação entre pais e filhos, não importa se você salvou o dia ou sua vida, um bom pai sempre tem sorvete por perto; ao mesmo tempo que a falta de um gesto de carinho e preocupação faz muita falta.

Com uma leveza e despretensão muito bem vindas em um livro que se destina ao público jovem, o autor vai ligando suas ideias, com o leitor acompanhando suas considerações, e percebendo ao fim que, como pais, não há manual de como conversar com seu filho que possa ensiná-lo como o fazer. Ao mesmo tempo, como filhos, saberão olhar para o “ser pai” com outros olhos.

O final é cósmico, e você sente um nó na garganta.

 

Cósmico, de Frank Cottrell Boyce (Cosmic, 2008Tradução de Antônio Xerxenesky, 2012).  336 páginas, ISBN 9788565765039  Editora Seguinte.

{ A }

 

53 comentários:

  1. Posso atribuir a minha eterna fila de livros não lido à você? É tudo sua culpa, que fica me fazendo querer comprar mais livros assim, que maldade a sua. Mas o que é uma casca de banana pra quem está lavando o chão de havaianas né?

    Esse livro parece ser muito original e emocionante, vou ter que ler. Resenha perfeita, falou tudo sem entregar o "ouro" da narrativa.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha! É bom isso, eu acho, rsrs. Mas este vale a pena mesmo, conseguiu me entreter mesmo eu não estando com o astral lá em cima. Vale ler.

      Excluir
  2. Ontem, quando estava voltando para casa, vi esse livro na livraria do aeroporto e lembrei de você Luciano, vc ficou um tempão com Cósmico no avatar néh?!?!

    As meninas não tem problemas com barba, nosso presente de fim de infância é um par de peitos que doem para crescer, fazem você perder todas as suas blusas preferidas e ainda tem a parte de ter de se habituar a olhares sebosos. Isso nem sempre é um processo agradável, eu odeio pensar nessa faze da minha vida, foi muito, mais muito chata.

    O ocidente devia produzir livros que falassem sobre essas transformações nas meninas sem tanto romance no meio ou focando em distúrbios alimentares como a anorexia/bulimia. A gente encontra coisas assim nos mangás, mas sinto falta de livros como "Cósmico" ou "É o primeiro dia de aula... sempre!" só que voltados ao universo das experiências/dilemas femininos.

    No mais, Cósmico me parece um livro muito fofo, me lembrou um dos meus sobrinhos que aos 12 anos já é um homenzarrão enorme, a gente tem que se vigiar para trata-lo dentro de sua faixa etária. O livro virou uma boa pedida para presente de Natal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jaci, eu não tinha pensado nisso, acho que me restringi quanto ao sofrimento masculino e nem me lembrei que as mulheres também lutam para se adequar às suas transformações. É, com certeza, um período tenso.

      O livro é muito bem escrito, e tem o raro dom de conversar com gerações diferentes justamente por representá-las tão bem na figura de Liam e seu pai. Gostei muito. ;)

      Excluir
  3. Oi, Luciano!
    Sinceramente quando vi o título do livro e a capa já fiquei desanimada, e quando li sua sinopse, pensei em nem ler a resenha. Mas continuei e acabei por me interessar pelo livro.
    Sua resenha foi ótima, me despertou muita curiosidade.
    Realmente é muito difícil ás vezes entender aos nossos pais, que dirá eles mesmos entenderem a nós! Acho que esse livro seria uma boa pedida.
    Bjss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Monique,o livro é muito bem desenvolvido, leve, com um humor tipicamente britânico que, se não é de fazer rolar de rir, faz a gente sorrir sempre. Eu gostei muito ;)

      Excluir
  4. Parece ser muito bom!!!

    Beijo,
    www.estanteseletiva.com

    ResponderExcluir
  5. Cósmico me fez lembrar alguém :) Com 12 anos eu já tinha 175cm, era a mais alta da turma e podia entrar facilmente em filmes adultos no cinema ou mesmo casas noturnas.
    Fiquei com muita vontade de ler e ao mesmo tempo presentear alguém que ontem me pediu uma sugestão de leitura - e o garoto tem 12 anos. O que acha?
    Boa semana!! Beijus,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luma, eu gostei bastante e recomendaria sim, mesmo para um garoto de doze anos, é um livro inteligente, mas despretensioso, sem tom professoral ou coisa do tipo. Vale ler ;)

      Excluir
  6. Me dá uma aflição quando vejo alguém fazendo barba. Sério, muitos caras tem barba no pescoço, e sempre acho que vão cortar a jugular e começar a sangrar e morrer HDUASDHUS Besta, eu sei, mas sempre me dá essa impressão.
    Enfim, gostei bastante do enredo, é muito diferente. Os lançamentos da Seguinte são de forma geral muito interessantes, espero conseguir parceria com eles da próxima vez que abrir ahah.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isabel, por essas e outras que ninguém toca na minha barba, só eu quem a faz, e ponto final, nada de confiar a garganta no barbeiro, nunca. E concordo, a Seguinte já tem um excelente catálogo.

      Excluir
  7. Ah! Realmente, acho difícil não se julgar um livro pela capa. Sem querer ser absolutista quanto à questão, mas o que percebo é que isso não é totalmente errado, uma vez que editoras sérias e compromissadas geralmente fazem bonito na parte da arte. Eu julgo bastante os livros pela capa, e acho que muitas vezes dá certo.

    Está de parabéns pela resenha. Mesmo tendo ficado longa, li com interesse até o fim. Quanto ao plot, achei original e moderno para tratar de um assunto que já é clássico no universo da literatura juvenil. Só faltou uns trechinhos pra gente apreciar, né? Rs!

    P.S.: O livro é ilustrado?

    Abraço e até a próxima!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jéssica, também me deixo levar pelas capas, não há como fugir disto. O livro não é ilustrado - mas seria uma boa ideia se fosse ;) e você pode dar uma olhada nos primeiros lançamentos da editora - inclusive ler os primeiros capítulos - aqui.

      Excluir
  8. Não conhecia o livro...fiquei curiosa ....

    P.S:Tem sorteio lá no blog.
    Cinquenta Tons de Cinza + Amazônia.
    Participe!
    http://marlicarmenescritora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oi Luciano!
    Eu desconhecia o autor e o livro,olhando para a capa da obra não curti muito,mas após ler sua resenha mudei de ideia.
    O livro tem uma história surpreendente e merece ser lido.
    Abraço!

    Bruno
    http://oexploradorcultural.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bruno, eu fiquei de olho em Cósmico logo que foi anunciado pela editora, também não conhecia o autor, e não me decepcionei ;) o livro é muito bom.

      Abraços.

      Excluir
  10. Mais um livro para minha lista. Aonde vou parar desse jeito?
    Tantos livros... Que se eu ler todos que desejo, vou ter que pensar seriamente numa enorme biblioteca.
    Os primeiro fios da barba, como você disse um parafuso na cabeça.
    A parte mais chata para mim foi ter que ter mais uma responsabilidade, fazer a barba. Já quer não sou muito de fã de ter o rosto barbado. Ashauahauahaua

    Ótima resenha, Luciano. Descreveu com maestria o livro, deixando aquela curiosidade de ler o livro logo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lucas, a coisa tá difícil aqui também, rsrs, são tantos títulos que quero ler.

      Excluir
  11. Cada vez mais eu me apaixono por livros infantis e é por isso que me interessei muito por esse livro, vi uma grande quantidade de publicidade dele, mas não tinha ideia de que era tão legal. Adorei a temática do livro e espero lê-lo em breve.

    Tudo Tem Refrão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ágata, eu os leio sem problemas, e sempre me divirto. Cósmico é, bem, cósmico, rsrs. Acho que vai gostar.

      Excluir
  12. Muito interessante apesar de ao ver a capa e o título imaginar uma história bem diferente.
    O fato do rapaz com relação ao aparecimento da barba é uma sensação que me pegou de surpresa quando reparei a do meu filho e acompanhei todo aquele seu momento
    São os meninos com a barba e as meninas com a primeira menstruação, com o crescimento dos seios.
    Depois de ler sua resenha fiquei curiosa em ler o livro.

    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Irene, o livro narra muito bem o conflito entre ser criança e começar a crescer, e de uma forma leve, bem humorada, sem lições de moral. É muito bom mesmo!

    ResponderExcluir
  14. Um dos meus desejados da Seguinte :(
    a história parece ser muito original e única. Sem dúvidas, é um BAITA livrão (pra não falar outras palavras..) HUAHAHAUHAUA
    espero que consiga o livro logo em minhas mãos e ver como é a percepção do autor quanto essa fase que toda criança deixa de ser criança mesmo.. Genial!
    A Seguinte está de parabéns com os livros lançados e futuros lançamentos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Matheus, o livro é muito bem escrito, e está longe de ser exclusivamente "para crianças". a Seguinte está mesmo de parabéns!

      Excluir
  15. Oi Luciano!
    Nunca tinha visto esse livro até entrar no seu blog. Pela capa eu não compraria (confesso que tenho esse preconceito, afinal, a primeira coisa que vejo na livraria é a capa), mas gostei da história! O Liam parece ser um personagem fácil de se identificar, pois eu também me sentia meio deslocada quando estava na escola. Quero ler :)

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sora, já eu gostei de cara da capa, rsrs. Liam é um personagem adorável, vale muito a pena ler.

      Excluir
  16. Bem legal esse livro e realmente não é pra se julgar pela capa. Adorei a história, é muito interessante. Só não pareceu ser muito daqueles que costumo ler, mas isso é irrelevante. É bem bom esse livro pelo visto.

    ResponderExcluir
  17. Além de ler sinopse, resenha e tudo mais eu ainda leio os comentários rsrs.
    Humor tipicamente britânico me ganhou, um livro leve e um texto fluido, com certeza é muito bom!
    A capa parece ser normal, mas na verdade eu já vi e é meio prateada, muito linda!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Erica, a capa "ao vivo" é linda, prateada, dá um efeito muito bacana. O humor britânico está presente, e, como sempre, na medida certa.

      Excluir
  18. Percebi o quanto você gostou do livro. Até o avatar do seu Twitter tem tudo a ver com o livro.
    Eu quero esse livro, mesmo com esse aspecto juvenil, sua resenha me prendeu a história, é daqueles que te faz refletir sobre muitas coisas, até pra mim mesmo.
    Espero ler, abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafael, eu me dou bem com livros juvenis, quando bem escritos, como "Cósmico", ainda melhor ;)

      Excluir
  19. Adorei a resenha, Luciano!
    Estou louca pra ler Cósmico, parece muito legal! Adoro livros juvenis, principalmente que tratem de viagens espaciais, e este parece ter uma história divertida e, ao mesmo tempo, emocionante...
    Bjus!
    Paty Algayer - http://www.magicaliteraria.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paty, também gosto muito de livros juvenis, e este é muito bem escrito, e é muito interessante o modo como o autor usou uma viagem espacial como pano de fundo para tratar do relacionamento entre pais e filhos.

      Beijos.

      Excluir
  20. Fiquei louca pra ler esse livro e dar de presente ao meu filho, desde a primeira vez q o vi. Meu filho tem muito em comum com o protagonista: tem 13 anos, é muito alto e começa a apresentar uma barbinha, na verdade 1 só fio, rsrs... E inventa umas mentirinhas que já renderam um castigo, rsrs. Quero muito ler!

    ResponderExcluir
  21. Caraca, que resenha empolgante! Tava vendo uma lista gringa e esse livro estava entre os melhores do ano. Ainda não tinha paredo pra ler a sinipse, e nossa, que enredo bacana! O lance de competição, viagem a lua. Muito bacana! E pelo visto parece ter uma mensagem super boa também!

    ResponderExcluir
  22. Haha, adorei a resenha, adoro livros e filmes com essa temática de viagens ao espaço e tudo mais, o livro parece ser bem legal e divertido de ler

    ResponderExcluir
  23. Amei demais ;)

    Janaína Villalba

    ResponderExcluir
  24. Confesso que nunca tinha ouvido falar e depois de poucos minutos (o tempo qe demorei pra ler a resenha) ele já está na lista de "Desejados" e "Vou ler", haha.
    Gostei da resenha, a história parece ser interessante, divertida, e bem envolvente (:
    Sem contar que a capa é uma graça :D
    [/Amante de capas se entregando aqui :P

    ResponderExcluir
  25. Se olharmos a capa e o nome do livro, realmente não dá ânimo de ler. Mas ao ler as resenhas e principalmente a sua, a vontade de ler o livro fica enorme. vou levar um tempinho para ler, pois tenho outros me esperando, mas no próximo ano, com certeza. Parabéns pela resenha. Ótima.

    ResponderExcluir
  26. Ai que lindooooooooooo.
    Estou em choque, rs.
    Muito bacana a história apresentada. E pelo que vi, é o tipo de livro que tanto eu quanto as crianças podemos ler, e por que não juntos?? Adorei!!

    Bjkas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lele, exatamente, é um livro que transcende "faixas etárias", pode ser lido por um público amplo, e, desconfio, rs, boa parte dele vai se divertir.

      Excluir
  27. Adoro livros infanto juvenis e esse me parece maravilhoso. Amei a história, achei divertida e original, muito interessante.

    Thais Vianna
    @dathais

    ResponderExcluir
  28. A resenha é bem interessante. O livro com certeza é bem divertido. Quero muito lê-lo!

    ResponderExcluir
  29. Eu adorei, parece ser bem interessante! Vou participar da sua promo, espero ganhar.

    ResponderExcluir
  30. Oi, Luciano!
    Posso dizer que estou espantada? Acho que de todas as suas resenhas que eu li, Cósmico foi a única que eu vi receber a nota A! oO Falando com total sinceridade, esse livro me parecia algo bem infantil, sabe? O conheci justamente porque você está/estava usando a foto desse menininho no seu avatar. Essa é a única resenha dele que cheguei a ler e acho que vai ser a única pois já me conquistou! Gosto quando os autores, mesmo escrevendo livros apara um público que está começando a ler agora ou trocando livros mais simples por algo com maior conteúdo, apostam em escrever algo inteligente, diferente e divertido. São livros assim que incentivam as pessoas a ler, a vir participar desse mundo tão bacana.
    Vou sair daqui só pra colocar Cósmico nos meus desejados pois quero mesmo acompanhar toda essa "viagem" do Liam!

    Beijos ;*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Janaína!

      Poucos livros ganhara um "A" aqui. até fiz uma página pra eles, a "Olimpo". E o autor tem esse discernimento, esta facilidade de conversar entre públicos, e por isso o livro é tão bom. Vale muito a pena ;)

      Excluir
  31. Eu também de primeira achei que fosse um livro com tema mais infantil, mas me animei muito pela resenha!
    Bem diferente do que eu imaginava ser, por isso que é ruim julgar livro pela capa né. Adorei a trama ser bem jovem adulta, a estória me parece divertidíssima, e mesmo assim traz várias lições. Fiquei ansiosa, principalmente pelo seu entusiasmo ao falar o quanto não se decepcionou com o autor.

    ResponderExcluir
  32. Que resenha perfeita! Tirando o fato dela ser gigantesca, foi uma ótima leitura de resenha das que já fiz hoje. Fiquei de olho nesse livro quando recebi um folheto do lançamento da editora, por uma cortesia que ganhei no skoob. Fiquei interessada na hora, pois nunca vi algum livro que se tratasse de algo parecido. Acho que estou começando a me interessar mais por livros infanto-juvenis do que YA. Vai entender, né?
    Beijo,
    Doce sabor dos livros

    ResponderExcluir
  33. Resenha perfeita mesmo com cordo com a jeni

    ResponderExcluir
  34. Dizem que crescer dói, isso vale para todos meninos e meninas. O livro parece ser maravilhoso, aposto que vou adorar ler e achei a capa lindinha.

    ResponderExcluir
  35. Que legal, gostei muito da resenha. A capa é muito fofa. Quando a vi pela primeira vez passou pela minha cabeça idéias diversas sobre o livro.

    ResponderExcluir

Olá, seu comentário é muito importante para nós.

Nenhum comentário aqui publicado sofre qualquer tipo de edição e/ou manipulação, porém o autor do blog se reserva o direito de excluir todo e qualquer comentário que apresente temática ofensiva, palavras de baixo calão, e qualquer tipo de preconceito e/ou discriminação racial, estando assim em desconformidade com nossa Política de Privacidade.

Oscar