28 de agosto de 2013

Correio #21 – Especial mangá

20130824_124205

Já fazia um tempo que eu queria mostrar aqui os mangás que tenho comprado – ainda tenho que arrumar uma maneira de falar sobre o que tenho lido que funcione, eu não gostei muito do formato do último post sobre, e, além disso, é complicado se falar de volumes de quadrinhos sem soltar um spoiler – de forma que as coisas acabaram se acumulando.

E me perguntaram onde compro quadrinhos, então lá vem história: Como moro no interior, e a maioria dos títulos segue distribuição setorizada – ou sejam, rodam São Paulo, Rio e outras metrópoles, são recolhidos das bancas e reenviados para o resto do país – os volumes chegam bem castigados por aqui, sujos, amassados, arranhados, sem condições, e as editoras teimam em ignorar qualquer contato cobrando algo a respeito do assunto, como se eu tivesse rasgado minha revista de propósito e decidira dar uma de esperto. Ou seja: não compro em bancas.

Uma vez que parece que as grandes lojas pela internet desistiram de dar suporte ao gênero e são raros os lançamentos disponíveis, tenho de recorrer ao Mercado Livre – em último caso e somente quando aceito Mercado Pago – ou pelas lojas especializadas. Tenho experiência com duas, a Comix e a Liga HQ.

A Comix é a maior do ramo aqui no Brasil. Pensou em quadrinhos, lá tem e, se não tiver, é porque tá esgotado! O catálogo é enorme, apreciando até mesmo os títulos independentes. O único problema é o frete, que, me parece, é padrão para um número pequeno de revistas, então acaba ficando salgado, mas, fazendo um pedido grande, a coisa compensa.

Já a Liga HQ tem um catálogo limitado, mas não cobra frete – eles utilizam o termo “Taxa de Manuseio”, que fica por menos de dois reais por exemplar comprado – e ainda devolvem ao cliente uma parte do valor da compra como em um sistema de milhas, que podem ser utilizadas em compras futuras, como um vale desconto. Como o catálogo e as unidades de cada título são limitadas, o segredo aqui é ficar de olho nas pré-vendas e garantir logo seu exemplar, sendo bastante comum alguns títulos esgotarem logo na pré-venda.

Pelo frete e os bônus costumo preferir a Liga HQ, mas até não tive nenhum problema com ambas as lojas.

Certinho? Voltando ao assunto do post, de cima para baixo, os títulos são:

Não sei do que se trata o “Psychic Detective Yakumo Vol. 01”, do Manabu Kaminaga (história original) e Suzuka Oda (versão em mangá). Comprei pra arredondar o valor de um pedido,

Oh! great é bastante famoso aqui no Brasil como o magaká de Tenjo Tenge e Air Gear, mas nunca li nada dele. Como “Burn’Up Excess & W” é um volume único, decidi arriscar.

Assim como resolvi, finalmente, ler “Nana”. Ai Yazawa já é uma lenda do mangá. Nana é o mangá shoujo – para meninas jovens – mais vendido do mundo, o equivalente para garotas do que “One Piece” e “Naruto” são para os meninos. A título de curiosidade, a série está paralisada há alguns anos no Japão, devido a um misterioso problema de saúde da autora. Comecei a ler a série mas não consegui ir em frente: é chato, moço, mas muito chato! Acho que não vou passar desse primeiro volume.

Depois de ter gostado bastante de “Hitman”, decidi arriscar e comprar mais um título da editora Nova Sampa. Optei então por “Old Boy”, que tem roteiro de Garon Tsuchiya e arte de Nobuaki Minegishi. Li bons comentários sobre, ele, estou querendo comprar o volume dois pra poder ler em sequencia, já que a espera me mata. Por sinal, Tsuchiya também esteve por trás de “Astral Project”.

O primeiro volume de “Genshiken” – série que tem o horrível subtítulo de “O clube de estudos da cultura pop japonesa” – foi uma grata surpresa. A obra do autor Kio Shimoku é um passeio pra qualquer fã de cultura japonesa, e nos leva a acompanhar Kanji Sasahara, um jovem apaixonado por games, mangás  e animês, que entra para o clube Genshiken, onde discutem esses assuntos, ao mesmo tempo que teme por sua imagem na universidade por andar com um grupo de otakus. A editora JBC acertou em cheio ao apostar no título, mas temo por ele por ser um “mangá de nicho”, sem monstros, heróis ou mocinhas.

Gen, Vol. 1 e Vol. 02 dispensa comentários. Obra autobiográfica, conta a história do autor, Keiji Nakazawa, que tinha sete anos quando os EUA lançaram a bomba atômica sobre Hiroshima. Na série ele conta sua história, de como ele e sua família lutaram para sobreviver ao horror da bomba atômica. Esta é edição, que vem sendo lançada pela Conrad, é a integral da história, ao contrário de uma condensada que chegou ao mercado bons anos atrás. Pelo tratamento dado, papel off-set, e edição muito caprichada – padrão Conrad – o preço cobrado pela editora é até até baixo. Nakazawa faleceu no final do ano passado.

Por enquanto é isso. E aí, o que estão lendo?

14 comentários:

  1. Oi Luciano!
    Faz um século que não leio mangá :(
    Ouvi falar que iam relançar Sailor Moon no Brasil... Se lançarem mesmo, quero colecionar, eu adorava o anime.

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sora, até que tenho lido bastante coisa, ao menos um volume por semana ;) A JBC vem relançando diversos títulos, quem sabe Sailor vem pras bancas novamente né?!

      Excluir
  2. Assisti o anime Nana e fiquei desidratada de tanto chorar... sou apaixonada pela história, pelos personagens da história... penso muito neles, adoraria conhecer a conclusão da história. Já Gen é um mangá que um amigo me emprestou, li os quatro volumes e também fiquei desidratada, mas alguns amigos leram também e não sofreram tanto, então não se assuste... Gen é um documento, um marco, uma coisa especial no mundo literário, não a toa entrou na lista do mec para ser enviado as escolas - na minha opinião melhor que Monteiro Lobato #MeJulgue rsrsrs

    Os outros eu não conheço e as dicas eu apreciei muito!!! Obrigada \o/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pandora, eu não me identifiquei com a moça não, se não me engano parei na página 40, mas não desisti de todo, quero terminar ao menos esse volume. Já Gen estou ansioso, quero comprar o terceiro volume pra poder ler de uma vez só, sem ter que esperar muito ;) E olha a polêmica! rsrsrs

      Dois abraços!

      Excluir
    2. Nem me fale de polemica, devo a mim mesma um post sobre essa criatura e vivo adiando... Eu gosto das Nanas, mas compreendo sua falta de empatia. :p

      Excluir
  3. Oi Amigo,
    Uma pena o descaso dessas bancas ai....bem eu não gosto de ler mangá...apesar de ter lido alguns....me perco lendo de trás pra frente...kkkk....prefiro quadrinhos HQ...boas leituras..beijokas elis!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Elis, não tem com comprar em banca, mas o problema maior é com as distribuidoras...... Beijos

      Excluir
  4. Oi Luciano,
    Também não sou fã de mangás e prefiro os HQ's.
    É triste essa situação que ocorre no transporte, as editoras deviam se preocupar mais. Boa leitura!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lucas, eu tô no caminho inverso, prefiro os mangás, rsrs!

      Excluir
  5. Luciano, fora do tema: A Leya lançou mais cinco livros para a coleção Novíssimos! Comprei ontem em promoção nas Casas Bahia online, porque estavam mais caros na Bienal.

    :D

    ResponderExcluir
  6. Oi, Luciano!!
    Acho que no Estado de São Paulo ainda é mais repercutido os mangás por conta dos orientais que aí residem. Aqui no Estado do Rio é uma tristeza! Na semana que passou tivemos uma feira de Anime aqui em Cabufa e já achei inusitado. Então, faz tempo que não leio nada! Quem me deixa a par dos lançamentos, também em filmes e documentários é a Elena que sempre deixa alguma coisa no sistema de comentários do "Luz". Só acessar posts anteriores ao atual que encontrará alguma dica.
    Boas compras! Bom divertimento!!
    Beijus,

    ResponderExcluir
  7. Não costumo ler mangás - acho que já mencionei isso - mas achei o post interessante. Se um dia você vier à capital, não deixe de ir ao bairro da Liberdade: é a maior comunidade asiática do Brasil (se não me engano), e o bairro é tradicionalmente japonês / chinês, por isso, você pode encontrar qualquer produto do ramo a preços acessíveis.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  8. Nana deveria ser considerado um Josei, já que a história é bem pesada. - Peguei Trauma de Ai Yazawa com o Paradise Kiss, ela me deixou atormentado e esse é um dos motivos de nunca ter terminado Nana -

    Gen é um clássico! :)

    ResponderExcluir

Olá, seu comentário é muito importante para nós.

Nenhum comentário aqui publicado sofre qualquer tipo de edição e/ou manipulação, porém o autor do blog se reserva o direito de excluir todo e qualquer comentário que apresente temática ofensiva, palavras de baixo calão, e qualquer tipo de preconceito e/ou discriminação racial, estando assim em desconformidade com nossa Política de Privacidade.

Oscar