20 de abril de 2015

A Escolha – The Selection Livro 3, de Kiera Cass [Resenha #214]

A Escolha


Sinopse: A Seleção mudou a vida de trinta e cinco meninas para sempre. E agora, chegou a hora de uma ser escolhida. America nunca sonhou que iria encontrar-se em qualquer lugar perto da coroa ou do coração do Príncipe Maxon. Mas à medida que a competição se aproxima de seu final e as ameaças de fora das paredes do palácio se tornam mais perigosas, América percebe o quanto ela tem a perder e quanto ela terá que lutar para o futuro que ela quer. Desde a primeira página da seleção, este best-seller #1 do New York Times capturou os corações dos leitores e os levou em uma viagem cativante ... Agora, em A Escolha, Kiera Cass oferece uma conclusão satisfatória e inesquecível, que vai manter os leitores suspirando sobre este eletrizante conto de fadas muito depois que a última página for virada.


Este era para ser o desfecho de uma série… mas não é!

Desde o primeiro livro da série, Kiera Cass me impressionou com sua versão do baile da Cinderela misturado a elementos distópicos que ela mesma diz não ser uma distopia. Temos uma nação comandada por um rei tido como pai do povo mas que nada faz para: corrigir desvios no sistema social, abolir as castas, ou qualquer coisa que não sirva exclusivamente para que ele – e sua família – se mantenha no poder; rebeldes em cada esquina que, ou querem matar o rei, ou abolir as injustiças que assolam a sociedade; e miséria, desemprego e descaso espalhados pelas ruas do país enquanto, em um perfeito exemplo de uma política do pão e circo, o país todo acompanha avidamente pela imprensa informes sobre “A Seleção”, o concurso que acabará por definir quem será aquela garota que se casará com o Príncipe Maxon, e que um dia será a princesa de Iléa.

É um conto de fadas com todos os ingredientes que tão bem o situam em nosso tempo – apesar de a Iléia descrita nos livros ter um certo ar de medieval – e que angariou tantos fãs mundo afora, eu incluso.

Gosto bastante da série apesar dos clichés – triângulo amoroso, mocinha indecisa, sociedade em castas, a antagonista perfeita comparada à mocinha fora do padrão, adolescentes como única esperança, e etc. – a autora sabe contar uma história e prender seu leitor, tanto que, hoje (18 de abril, dia em que escrevi a resenha) completam dois anos desde que li “A Elite”, e toda a série se mantinha bastante fresca em minha memória.

America segue sendo uma protagonista interessante, cada vez mais consciente de si e de seu papel em um concurso cuja importância vai  muito além do prêmio, o casamento com um príncipe. Ela sabe que é a oportunidade de poder fazer algo por seu povo, pois ninguém em toda a seleção conhece como ela a realidade das castas mais baixas; porém ela derrapa em questões políticas, bate de frente com o Rei e ganha sua antipatia ao mesmo tempo em que é cada vez mais apoiada pela sociedade.

Apesar de dar nomes e rostos aos rebeldes – algo que eu desejava desde o primeiro livro – o mote principal ainda é o romance. America gosta sinceramente de Maxon, mas ela não se sente segura em apostar alto em alguém que corteja ao mesmo tempo outras tantas garotas; e ela ainda sente algo por Aspen, seu ex-namorado, apesar de detestar enxergá-lo como um plano B.

O que mudou neste livro – e que eu posso dizer sem soltar spoiler – é que gosto cada vez mais de Maxon, do quanto ele é diferente do Rei, e em como todas as expectativas e previsões que eu tinha para com ele foram se concretizando. Ele é meu  fraco favorito em oposição à Aspen.

Mas, se gostei tanto do livro, por que demorei tanto para lê-lo? Fiquei sabendo o final sem querer, então resolvei esperar as coisas darem uma acalmada. E dou uma dica: não leiam as sinopses dos livros “Diário da Seleção” ou o “A Herdeira”, elas entregam mais do que deveria.

Recomendo fortemente a série, ela não é tão colorida quando pode parecer pelas capas, e este terceiro livro é prova disso. E me rendo mais uma vez ao talento da autora em transmitir tanto em tão poucas páginas, só que desta vez as coisas pareceram um pouco mais corridas, nada que, ao final, atrapalhe.


+da série

A Seleção - The Selection Livro 1
A Elite - The Selection Livro 2


A Escolha, de Kiera Cass (The One, 2014 Tradução de Cristian Clemente, 2014).  352 páginas, ISBN 9788565765374  Editora Seguinte.

COMPRAR: [SUBMARINO] [AMERICANAS.COM]

{B+}

7 comentários:

  1. Nunca me animei em ler essa trilogia/série. Mas você recomenda tanto que fico até animada, rsrs. Quando você diz 'fortemente' então... Aí a vontade aumenta.

    Será que vou curtir?? Só lendo pra saber.

    Adorei a resenha empolgada!

    Bjks

    Lelê - http://topensandoemler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Luciano!
    Eu li o primeiro livro da série este ano e amei! Eu também achava que seria mais "colorida" por causa das capas, mas a história me surpreendeu.
    Preciso comprar os outros volumes da série para ler.

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  3. Sinceramente, nunca tive vontade de ler essa série. Entendo que, talvez, o marketing seja errôneo, mas a proposta nunca me apeteceu. Interessante ver que a série teve suas guinadas, e lamento que você tenha pego um spoiler - isso tira MUITO da graça da leitura.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Eu tive que voltar ao meu eu bloguistico para comentar esse desenlace da conclusão que não é conclusão kkk.

    Honestamente eu bato de frente com a visão da politica e do jogo de poderes da Kiera, mas a danada sabe contar uma história e a America foi uma protagonista com a qual me identifiquei muito. Ela tem crises existenciais em cada esquina, é indecisa, fala duas vezes antes de pensar, é carismática e atrai tanto simpatias como antipatias com muita facilidade... Não sei se gostei do desfecho da história completamente, mas foi satisfatório... E eu estou dizendo para mim mesma que não vou ler a continuação, mas... kkkk não estou concorrendo ao concurso de "A coerente do Ano" então nunca se sabe kkkk

    ResponderExcluir

Olá, seu comentário é muito importante para nós.

Nenhum comentário aqui publicado sofre qualquer tipo de edição e/ou manipulação, porém o autor do blog se reserva o direito de excluir todo e qualquer comentário que apresente temática ofensiva, palavras de baixo calão, e qualquer tipo de preconceito e/ou discriminação racial, estando assim em desconformidade com nossa Política de Privacidade.

Oscar